Talibã diz que vai permitir saída de afegãos do país, afirmam negociadores | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Talibã diz que vai permitir saída de afegãos do país, afirmam negociadores

Pelo menos cem países alegam que receberam garantias do Talibã de que pessoas no Afeganistão poderão deixar o país. EUA atacam veículo depois de explosão que deixou seis civis mortos.

Aeroporto internacional de Cabul, no Afeganistão

Evacuação no aeroporto internacional de Cabul, no Afeganistão

Quase cem países, incluindo Portugal, comprometeram-se a continuar a emitir vistos para as pessoas que queiram sair do Afeganistão e afirmaram esperar que os fundamentalistas islâmicos talibãs cumpram a promessa de as deixar embarcar.

Numa declaração conjunta subscrita por 97 nações, pelo secretário-geral da NATO e pelo representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e Política de Segurança, divulgada este domingo (29.08) pelo Departamento de Estado norte-americano, é afirmado o seu compromisso em garantir que os seus cidadãos, funcionários e afegãos que consigo trabalharam "possam continuar a viajar livremente para destinos fora do Afeganistão".

O ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Heiko Maas, disse, antes de chegar à Turquia, para uma viagem a vários países vizinhos do Afeganistão, este domingo, que o compromisso da Alemanha "não termina com a conclusão da missão militar de resgate".

"A nossa oferta de apoio aos países vizinhos [do Afeganistão] para ajudá-los a lidar com as consequências humanitárias e económicas também faz parte disso [do compromisso alemão]", afirmou, acrescentando que é do interesse da Alemanha "garantir que o colapso no Afeganistão não desestabilize toda a região".

Explosão e ataque

O anúncio veio na sequência de um ataque dos Estados Unidos contra um veículo em uma região perto do aeroporto de Cabul neste domingo, após outra explosão, também próxima ao local, ter provocado a morte de ao menos seis civis. Ainda não foi esclarecido se os incidentes estão relacionados.

"Agora podemos confirmar que as forças americanas realizaram um ataque aéreo contra um veículo suspeito e o destruíram. A informação revela que havia três pessoas a bordo", disse à Agência EFE o porta-voz talibã Bilal Karimi.

Assistir ao vídeo 01:28

Mulheres afegãs temem dias sombrios após regresso dos talibãs ao poder

Um indivíduo morreu no ataque, mas Karimi disse que não há informações sobre os outros dois. De acordo com o porta-voz, "há relatos de explosivos que estavam dentro do veículo que ficaram (sem detonar)".

"As forças norte-americanas tomaram o controle da área, motivo pelo qual dificultam a nossa investigação na região. Agora as forças americanas estão investigando os detalhes do ataque", acrescentou.

O ataque ocorreu paralelamente a uma explosão que atingiu uma casa no distrito 15 da capital afegã, também perto do aeroporto. De acordo com os talibãs, um míssil disparado de local desconhecido impactou "uma casa em uma área residencial". Segundo Qari Rashed, oficial da polícia de Cabul, foi usado um míssil tipo BM-1.

Educação superior

Este domingo, o ministro interino do Ensino Superior do Governo talibã disse que as afegãs poderão estudar nas universidades, mas em classes não mistas, e que o novo regime vai propor um programa de ensino "islâmico e razoável".

Depois da tomada do poder no Afeganistão, em meados deste mês, os talibãs procuram passar uma imagem de abertura e moderação, perante os receios de um retrocesso como o que se verificou durante o regime fundamentalista que esteve no poder entre 1996 e 2001, o qual, nomeadamente, proibiu a educação das raparigas. 

Os talibãs querem criar "um programa de ensino islâmico e razoável, de acordo com os valores islâmicos, nacionais e históricos, e, por outro lado, capaz de rivalizar com os outros países", declarou.

Assistir ao vídeo 03:07

Como a UE está a gerir o acolhimento dos refugiados afegãos?

Leia mais