Têxteis ″fair trade″, made in África | MEDIATECA | DW | 06.07.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Têxteis "fair trade", made in África

A indústria têxtil dá trabalho a milhões, mas por vezes o trabalho é muito mal pago e a produção não respeita a saúde, nem o meio ambiente. Mas também há exemplos positivos: a DW África fala de um caso no Quénia.

Ouvir o áudio 09:15

No Quénia existem alguns produtores que - em cooperação com parceiros europeus - produzem têxteis de qualidade, pagam bem os seus trabalhadores e exportam com êxito para a Europa.

Em Nairobi, capital do Quénia, existe uma empresa têxtil fundada por dois empresários alemães, chamada "Kiboko". Trata-se da única empresa têxtil do país, que exibe - e com orgulho - o carimbo de aprovação da organização "fair trade", portanto do comércio justo. A matéria prima - algodão ecológico - provém da Tanzânia. Os trabalhadores trabalham cinco dias por semana e não seis, como é habitual no Quénia. Os seus salarários são também muito superiores à média. Os artigos aqui produzidos são, na sua grande parte, exportados para a Alemanha.

Alemães preferem roupas ecológicas e produzidas de forma justa

Cada vez mais consumidores alemães querem identificar-se com as suas roupas, querem saber, quem as produziu, com que material, e se foram produzidas em condições humanas. Um exemplo é a marca alemã de roupa "Recolution" que se dirige a uma público jovem.

O fundador da marca, um estudante universitário de nome Robert Diekmann, explica que a produção de têxteis, hoje em dia, normalmente não obedece minimamente às exigências ecológicas e sociais, começando pela própria matéria prima: na maior partre dos casos o algodão é tratado com pesticidas, fungicidas e fertilizantes químicos. Os solos ficam contaminados. A saúde das populações rurais é posta em perigo e, por vezes, o próprio cliente final também sofre as consequências, pois muitos têxteis não biológicos contêm substâncias nocivas.

Tudo isso são razões para recorrer a produtos com o carimbo da "fair trade", comércio justo. E é isso o que fazem cada vez mais consumidores na Europa e também na Alemanha.

Um Contraste apresentado por António Cascais.

Autor: António Cascais
Edição: António Rocha