Sumbe: A cidade angolana da poeira e dos mil problemas | Angola | DW | 17.03.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Sumbe: A cidade angolana da poeira e dos mil problemas

Os problemas se acumulam na capital da província do Cuanza Sul. Moradores do Sumbe enfrentam, como desafios do quotidiano, desde a sombra do desemprego até a carência de infraestruturas.

Com mais de três mil habitantes, a cidade do Sumbe é o município mais populoso dos 12 que compõem a província do Cuanza-sul, localizada na região central do país.  

Até 1975, a cidade era conhecida por "Novo Redondo”. Sumbe é a capital da província e hoje é chamada de "cidade da poeira” e dos "mil problemas”.

Logo à entrada da cidade encravada entre relevos e montanhas observa-se as casas construídas em zonas de risco e infraestruturas predominantemente da arquitetura colonial. É o caso da igreja da Sé Catedral, localizada na marginal da cidade. 

Os populares que vivem em zonas de risco têm noção do perigo, sobretudo quando chove. "As casas que desabam são as que se encontram lá em baixo porque a água vai escorrendo de cima para baixo”, explica uma moradora de 18 anos. 

Ouvir o áudio 05:02

Sumbe: A cidade angolana da poeira e dos mil problemas

Estradas não estão "católicas"

No interior da cidade, é visível o contraste entre as casas de lata e as habitações da sociedade colonial. As estradas não estão "católicas”, desabafa um motoqueiro que exerce a atividade há quatros anos. 

"Estão cheias de buracos, não favorecem o nosso trabalho. Requer mesmo a reconstrução das estradas”, diz o motoqueiro. 

Por causa da poeira, apenas as roupas coloridas oferecem um pouco de conforto aos citadinos, revela outro cidadão também na condição de anonimato. "Roupa branca aqui você já não usa. Aqui usa-se mais roupas de cor azul, preta e amarela”. 

Para além destes problemas, os habitantes, fundamentalmente jovens, também se queixam da falta de emprego. Dados do Censo Geral de 2016 indicam que o índice de desemprego na província do Cuanza Sul e Benguela situava-se nos 14%.

Porém, este cidadão que exerce atividade de mototaxi questiona os dados:  "Temos poucas empresas, poucas indústrias. Por isso, tem [elevado] índice de desempregado aqui no Sumbe”. 

Angola Sumbe Stadt des Staubs (DW/M. Luamba)

Principal via do Sumbe

Iniciativas positivas

Apesar de a Cuanza Sul  - tanto na área central como na periferia – ter vias esburacadas e de a poeira fazer parte do quotidiano do morador do Sumbe, observa-se homens e máquinas a trabalhar na requalificação da urbe. 

A igreja católica nota esforço para melhoramento das condições sociais das populações. Contudo, pede mais. "Apreciação feita no Sumbe é a mesma feita no Cunene e é feita em Luanda. Nós notamos esforços na parte daqueles que governam, mas nós precisamos o melhor”, diz o Joaquim Matias, vigário da diocese do Sumbe. 

Os problemas do município são do conhecimento do Governo local. Fonseca Rafael António, que é administrador-adjunto do Sumbe para área política, social e das comunidades, diz que estes dilemas têm os dias contados. 

"Nós estamos [cientes] dos problemas que o nosso município vive. A nossa cidade encontra-se, nessa altura, em obras de requalificação, de modo que, futuramente, teremos uma cidade que, obviamente, permitirá que as pessoas sintam-se à vontade”, explica António.

Angola Sumbe Stadt des Staubs (DW/M. Luamba)

Fonseca Rafael António: "Estamos cientes dos problemas"

Também se sentirão à vontade, os populares que vivem em zonas de risco porque, segundo o administrador-adjunto, a construção de habitações para o seu realojamento está em curso.

"No final do ano, segundo semestre de 2020, estas pessoas que se encontram em zonas de risco terão a oportunidade de, cada uma delas, estar numa casa de melhores condições e de fácil acesso”, promete António, afirmando que o cadastramento das famílias já foi feito. 

No âmbito do Plano Integrado de Intervenção nos Municípios, Fonseca Rafael António explica que está em curso a construção de duas escolas.

Jornadas e reflexão

A União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA) - o maior partido da oposição em Angola - realizou a 9ª edição das suas Jornadas Parlamentares no Cuanza sul.

Pobreza, corrupção e autarquias foram os temas debatidos no encontro da UNITA. Deputados do partido também visitaram os 12 municípios da província e não gostaram do que viram.

"Nós saímos daqui do Cuanza Sul com os corações bastante tocados. Não se pode aceitar que um governo aceite que os seus concidadãos vivam nesta pobreza, sobretudo nesta poeira e nestas lamas. Não se pode aceitar”, disse Liberty Chiaca, líder da bancada parlamentar dos "maninhos”. 

Leia mais