Sudão: Manifestantes pedem regresso de militares ao poder | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 18.10.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Sudão: Manifestantes pedem regresso de militares ao poder

Dezenas de manifestantes pró-militares no Sudão marcharam esta segunda-feira (18.10), pelo terceiro dia consecutivo, na capital Cartum, exigindo a demissão do primeiro-ministro Abdalla Hamdok.

Protesto de domingo em Cartum

Protesto de domingo em Cartum

"Abaixo Hamdok!", gritaram os manifestantes pró-militares, numa manifestação sem impedimentos por parte das forças de segurança.

O chefe do Governo, que reuniu esta segunda-feira o seu gabinete para uma reunião "urgente", classificou a agitação recente como a "pior e mais perigosa crise" desde a queda de Omar Al-Bashir.  

Os manifestantes exigem a dissolução do Governo provisório pós-ditadura do país, que está atolado tanto em crises políticas como económicas.

"O Governo civil falhou", disse Tahar Fadl al-Mawla, um ancião tribal de 52 anos, falando numa tenda erguida às portas do Palácio Presidencial. "Queremos um Governo de soldados para proteger a transição", acrescentou.

Sudan I Protest in Khartoum

Manifestantes estão acampados em frente ao Palácio Presidencial, em Cartum

Protestos

Os protestos surgem à medida que a política sudanesa se afasta das divisões entre as fações que dirigem a transição desde a queda de Bashir, que foi expulso pelo exército em abril de 2019, face aos protestos em massa.

Os críticos alegam que os protestos estão a ser conduzidos por membros das forças militares e de segurança, e envolvem simpatizantes contrarrevolucionários com o antigo regime.

O Sudão é dirigido por um Conselho Soberano, um organismo militar-civil que supervisiona a transição até às eleições previstas para 2023, com o Governo liderado por Hamdok, um antigo economista da ONU. A principal fação civil apelou a um contraprotesto na quinta-feira.

Jonas Horner

Jonas Horner, da ONG International Crisis Group

Contraprotestos

Jonas Horner, do International Crisis Group, uma ONG que se concentra na prevenção de conflitos, disse à DW que os contraprotestos de quinta-feira são suscetíveis de "diminuir" os protestos atuais.

"Estes seriam os manifestantes que são os revolucionários originais do Sudão desde a revolta de 2018-19 que derrubou Bashir. E há alguma preocupação, talvez, de que os dois grupos se confrontem. Os atuais manifestantes ocuparam um lugar privilegiado, tendo um espaço em frente ao Palácio Presidencial e aos gabinetes do Governo", avaliou Horner.

Segundo o ativista, os protestos estão a acontecer em grande parte como rescaldo de uma tentativa de golpe que aconteceu há cerca de três semanas e que "trouxe à tona tensões existentes que tinham vindo a borbulhar no seio do Governo de Transição civil-militar".

Leia mais