STP: Quarto classificado rejeita declarar apoios na segunda volta | São Tomé e Príncipe | DW | 23.07.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

STP: Quarto classificado rejeita declarar apoios na segunda volta

O quarto classificado nas eleições presidenciais em São Tomé e Príncipe, Abel Bom Jesus, recusa apoiar algum dos dois candidatos à segunda volta, justificando não confiar nos partidos que já estiveram no poder.    

Sao Tome und Principe Wahlen Stimmauszählung

Foto ilustrativa

"Não farei [declaração de apoio], porque eu não confio em nenhum dos candidatos, sobretudo porque os meus discursos sempre foram de rutura", disse o empresário do ramo agrícola e ativista Abel Bom Jesus, que foi o quarto mais votado nas eleições presidenciais são-tomenses de domingo (18.07), com 2.907 votos (3,58%), de acordo com dados provisórios divulgados na segunda-feira (19.07) pela Comissão Eleitoral Nacional (CEN).

"Esses políticos na fase final das eleições não terão o meu apoio porque são indivíduos que são repetentes e sobretudo não me inspiram confiança e acredito que à maioria [do povo] também não", insistiu Abel Bom Jesus, que no passado apoiou a Ação Democrática Independente (ADI), mas sem ser militante.

Carlos Vila Nova (apoiado pela ADI, oposição) venceu as eleições, com 39,47% dos votos (32.022 votos) e passa à segunda volta com Guilherme Posser da Costa (apoiado pelo Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata, no poder), com 20,75% (16.829 votos). Em terceiro lugar ficou Delfim Neves, presidente da Assembleia Nacional e apoiado pelo Partido de Convergência Democrática, no poder, com 16,88% (13.691 votos). 

"Eu não confio nos partidos políticos que já estiveram à frente da governação de São Tomé e Príncipe. Eles tiveram oportunidade para fazer a diferença na vida do nosso povo e não o fizeram e eu sou alguém que acredita mais em ações do que palavras", sustentou.

As críticas de Jesus

Abel Bom Jesus afirmou que os recursos do país "não estão a ser valorizados" e que os dirigentes "não têm estado a ajudar o próprio país".

"Os nossos dirigentes têm vivido de mão estendida e isso não vai levar a lado nenhum e nunca vai dignificar o nosso povo", criticou.

São Tomé und Príncipe Präsidentschaftswahlkampf 2021 | Pósser da Costa

Posser da Costa

"Precisamos ter dirigentes que valorizam os nossos recursos e identifiquem os recursos de forma funcional, ou seja, produtiva para que o povo comece a encontrar resultados.

Um total de 19 candidatos avançou para as presidenciais de São Tomé e Príncipe no domingo (19.07), procurando a sucessão a Evaristo Carvalho, que não concorreu a um segundo mandato. A segunda volta está prevista para 8 de agosto, mas várias candidaturas levantaram suspeições sobre a votação e pedem recontagem de votos.

As fraudes

E como tem sido habitual após eleições em África, há denúncias de fraude eleitoral no país. 

O segundo candidato mais votado, Posser da Costa, disse esta quinta-feira (22.07) concordar com a recontagem dos votos pedida por outros concorrentes para "permitir que as coisas sejam completamente esclarecidas". 
  
"Perante as dúvidas que subsistem, eu sou da opinião que as coisas devem ser completamente esclarecidas. Por essa razão eu concordo com uma recontagem dos votos. Concordo por uma simples razão: eu não quero ir para uma segunda volta com qualquer tipo de suspeição, eu não me sentiria confortado, estando numa segunda volta com suspeitas de os resultados terem sido fraudados por uma ou outra candidatura, ou por quem quer que seja", disse Guilherme Posser da Costa, candidato apoiado pelo principal partido do Governo, o MLSTP-PSD. 

Entretanto, Costa já tinha anunciado na quarta-feira (21.07) que iniciaria contactos com outros concorrentes para procurar apoios na segunda volta das eleições, prevista para 8 de agosto.  

São Tomé und Príncipe Präsidentschaftswahlkampf 2021 | Carlos Vila Nova

Carlos Vila Nova

CEN debaixo de fogo

A candidatura de Carlos Vila Nova, o mais votado na primeira volta, acusou a CEN de pretender "alterar a vontade expressa pelo povo" nas urnas.

"A candidatura de Carlos Vila Nova vem mais uma vez exortar a população de que nós estamos tranquilos e serenos à espera dos resultados definitivos dessa eleição, mas gostaríamos de alertar de que há fortes indícios da CEN de alterar os dados saídos da mesa, ou alterar a vontade expressa pelo povo", disse Américo Ramos, diretor de campanha de Carlos Vila Nova, candidato mais votado.

Vários candidatos questionaram a CEN sobre o desaparecimento de 4. 497 votos. 
Ramos disse esperar que "essa situação se esclareça e se torne mais transparente porque teremos a segunda volta para não criar  qualquer tipo de duvidas para a população são-tomense". 

A direção de campanha de Carlos Vila Nova, apoiado ADI, acusou também o presidente da CEN de ser membro da Comissão Política do principal partido no poder, o MLSTP-PSD, que apoio o segundo candidato mais votado, Pósser da Costa.

 

Assistir ao vídeo 02:24

São Tomé e Príncipe vota para escolher novo Presidente

Leia mais