Somália: Parlamento destitui primeiro-ministro | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 25.07.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Somália: Parlamento destitui primeiro-ministro

O porta-voz do Parlamento somali informou que o primeiro-ministro Hassan Ali Khaire não passou no voto de confiança dos deputados, que o acusam de não abrir caminho para eleições totalmente democráticas em 2021.

Hassan Ali Khaire, primeiro-ministro destituído na Somália

Hassan Ali Khaire, primeiro-ministro destituído na Somália

Um total de 170 dos 178 parlamentares apoiou a moção de censura e a destituição de Hassan Ali Khaire este sábado (25.07), em Mogadíscio. A decisão foi imediatamente endossada pelo Presidente Mohamed Abdullahi Farmajo, que nomeou o primeiro-ministro em fevereiro de 2017.

Os deputados chegaram à Assembleia Nacional no sábado para trabalhar na organização das próximas eleições nacionais em 2021.

"Depois de saber que o Governo falhou na sua promessa de preparar um plano claro que abrisse caminho para eleições democráticas em 2021, o Parlamento realizou um voto de confiança contra o Governo e o primeiro-ministro Hassan Ali Khaire", disse o presidente do Parlamento, Mohamed Mursal.

"O Presidente da Somália nomeará um primeiro-ministro e um Governo que abrirá o caminho para as eleições", acrescentou o porta-voz.

Assistir ao vídeo 02:11

Esperança por uma Somália melhor

O gabinete presidencial emitiu uma declaração indicando que Farmajo nomeará um novo primeiro-ministro em breve. "Decidi aceitar a decisão do Parlamento", disse o chefe de Estado no comunicado.

Situação política

O frágil Governo central, presidido por Farmajo, controla apenas uma parte do território da Somália e está a enfrentar a insurgência do grupo terrorista Al-Shabaab, ligado à Al-Qaeda.

A Somália estabeleceu o objetivo de realizar uma eleição nacional de apenas um representante no início de 2021, em oposição a um sistema complexo no qual delegados especiais escolhem legisladores que depois votam no Presidente. A votação em 2121 deve ser primeira a eleição democrática desde 1969.

Khaire, de 52 anos, estava recém-chegado ao cenário político quando se tornou primeiro-ministro, tendo anteriormente ocupado o cargo de diretor do departamento de África da companhia britânica de petróleo "Soma Oil and Gas".

Khaire é membro do clã Hawiye, enquanto Farmajo é do clã Darod, de acordo com o equilíbrio tradicional no topo do executivo da Somália.

O analista político Rashid Abdi, em entrevista à agência de notícias Reuters, considerou que a destituição de Khaire foi inevitável devido às diferenças com o Presidente e a ambição do primeiro-ministro de ser chefe de Estado. "O que foi surpreendente foi a rapidez com que isso foi feito. Não houve debate ou negociações", disse Abdi à Reuters.

Assistir ao vídeo 01:43

Somália: A fome num Estado falhado

Leia mais