Serra Leoa vai às urnas para escolher novo presidente | NOTÍCIAS | DW | 31.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Serra Leoa vai às urnas para escolher novo presidente

Cerca de 3 milhões de eleitores vão a votos para definir o sucessor do atual Presidente, Ernest Bai Koroma, que deixará o Governo após 11 anos no poder. Disputa será decidida entre Samura Kamara e Julius Maada Bio.

Cerca de 3 milhões de eleitores vão às urnas na Serra Leoa este domingo (31.03) para a segunda volta das eleições presidenciais. A disputa será decidida entre o candidato do Governo, Samura Kamara, e o da oposição, Julius Maada Bio. O resultados será conhecido este domingo.

Kamara é cabeça de lista do governante Congresso de Todo o Povo (APC, na sigla em inglês) e Bio é líder do Partido Popular de Serra Leoa (SLPP).

Ambos procuram suceder ao Presidente Ernest Bai Koroma que deixará o poder após cumprir dois mandatos de cinco anos, como permitido pela Constituição. O sucessor do atual Presidente terá o desafio de reerguer a economia do pequeno país da África Ocidental, assolada pela epidemia do ébola.

As assembleias de voto abriram às 7h (horário local). A votação decorre até as 17h nas três mil assembleias de voto distribuídas pelo território nacional. A situação geral é tranquila com a polícia a manter um esquema especial de segurança.

As ruas da capital Freetown, habitualmente atoladas em intermináveis engarrafamentos, amanheceram praticamente vazias, devido à proibição de circulação de veículos não autorizados pela Comissão Eleitoral Nacional.

Adiamento

Os dois candidatos à Presidência de Serra Leoa não conseguiram alcançar a votação mínima na primeira volta. Atual ministro dos Negócios Estrangeiros, Kamara obteve 42,7% dos votos. Bio, general que deu um golpe de Estado em 1995 e governou o país por dois meses e meio, angariou 43,3% dos votos.

A primeira volta, em 7 de março, foi marcada por tensão política e a possibilidade de o partido do Governo perder a presidência. Na altura, 16 candidatos estavam na disputa, nas eleições mais concorridas de sempre na Serra Leoa.

A segunda volta estava prevista para o dia 27 de março, mas um recurso judicial apresentado pelo advogado Ibrahim Sorie Koroma, ligado ao APC, obrigou o adiamento das eleições. O advogado exigiu uma auditoria aos sistemas internos e de contagem da Comissão Eleitoral Nacional.

Na passada segunda-feira, o Tribunal Superior da Serra Leoa pronunciou-se a favor da Comissão e autorizou a realização das eleições, mas o recurso pendente atrasou o processo. Era demasiado tarde para que toda a logística ficasse pronta.

Leia mais