Serra Leoa: Justiça suspende provisoriamente segunda volta das presidenciais | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 24.03.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Serra Leoa: Justiça suspende provisoriamente segunda volta das presidenciais

Comissão eleitoral está proibida de continuar a preparar a votação programada para 27 de março. Partido no poder quer que alegações de fraude sejam investigadas antes de avançar o escrutínio.

Primeira volta da votação ocorreu a 7 de março

Primeira volta da votação ocorreu a 7 de março

Na Serra Leoa, a Justiça ordenou, este sábado (24.03), que a comissão eleitoral suspenda provisoriamente os preparativos para o segundo turno das eleições presidenciais de 27 de março, após a solicitação formal de um advogado ligado ao partido no poder.

A ordem impede que a Comissão Nacional Eleitoral (CNE) trabalhe até "a audiência e a determinação deste tribunal", adiando o assunto até a próxima segunda-feira, véspera da votação. A Justiça espera que o órgão eleitoral dê uma resposta às alegações de fraude, para então poder decidir sobre a realização do escrutínio.

A decisão significa que a comissão não poderá transportar materiais eleitorais nem organizar a votação até que a liminar seja suspensa.

O advogado Ibrahim Sorie Koroma, membro da decisão do Congresso de Todo o Povo (APC, no poder), argumentou na sua solicitação que as alegações de fraude eleitoral devem ser investigadas antes que a votação avance.

O candidato da APC, Samura Kamara, terminou ligeiramente atrás de Julius Maada Bio, do Partido do Povo da Serra Leoa (SLPP) na primeira volta do escrutínio a 7 de março, mas nenhum dos candidatos obteve 55% dos votos necessários para vencer.

O clima de tensão é grande no país antes da segunda volta, com o período eleitoral a ser marcado por alegações de fraudes em alguns distritos, ataques violentos e intimidação contra políticos e seus apoiantes.  Apesar das tensões, a votação de 7 de março foi declarada justa e credível por observadores internacionais e nacionais.

Leia mais