Sentença de caso Embraer marcada para 22 de julho em Maputo | Moçambique | DW | 20.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Sentença de caso Embraer marcada para 22 de julho em Maputo

O Tribunal de Maputo marcou para 22 de julho a leitura a sentença do caso Embraer. Os três arguidos, incluindo o ex-ministro dos Transportes, são acusados de ter beneficiado ilegalmente da venda de aviões a Moçambique.

O Ministério Público pede a condenação dos arguidos e uma indemnização no valor de 73 milhões de meticais (980 mil euros) a favor do Estado, enquanto a defesa pede a absolvição de todos, anunciou hoje a Rádio Moçambique. 

Entre outros pontos, a defesa alega insuficiência de provas, erros processuais insanáveis e prescrição de alegados crimes.

A defesa considera ter ficado demonstrado que foi a Embraer a suportar uma comissão paga a Mateus Zimba e não a Linhas Aéreas de Moçambique (LAM), concluindo por isso que o Estado moçambicano não foi lesado.

Valores inflacionados

Em 2009, a brasileira Embraer vendeu às LAM dois aviões por 31,1 milhões de dólares (25,7 milhões de euros) cada, mas o Ministério Público entendeu que o preço real devia ter sido pouco superior a 30 milhões de dólares (24,8 milhões de euros).

Ehemaliger mosambikanischer Verkehrsminister Paulo Zucula in Maputo

Ex-ministro Paulo Zucula

Os procuradores entendem que o valor foi inflacionado para recompensar Paulo Zucula, antigo ministro, e Mateus Zimba, antigo gestor privado, com valores da ordem de 430 mil dólares (cerca de 356 mil euros) e 370 mil dólares (cerca de 306 mil euros), respetivamente.

Ambos são acusados de participação económica em negócio e branqueamento de capitais.

O ex-presidente da LAM, José Viegas, responde por participação económica em negócio, supostamente por ter pressionado a Embraer a subir o preço dos aviões e a fazer os pagamentos aos outros dois arguidos, mas não lhe é imputado nos autos qualquer recebimento indevido.

Leia mais