Senegal: Pelo menos quatro mortos em protestos pela libertação de Ousmane Sonko | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 06.03.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Senegal: Pelo menos quatro mortos em protestos pela libertação de Ousmane Sonko

A detenção do opositor, cuja custódia policial foi prolongada, continua a provocar onda de raiva em todo o país, principalmente em Dakar e Casamança. Governo garantiu que vai "restaurar a ordem" no país.

Senegal Proteste der Opposition

Manifestantes pedem libertação de opositor senegalês Ousmane Sonko

A detenção de Ousmane Sonko, popular entre os jovens e visto como um forte opositor ao Presidente Macky Sall, desencadeou, esta semana, uma onda de manifestações no Senegal. Esta sexta-feira (05.03), e depois do tribunal ter decidido prolongar a custódia policial de Ousmane Sonko até domingo (07.03), os seus apoiantes voltaram às ruas para protestar. 

O Governo anunciou, entretanto, que pelo menos quatro pessoas morreram, na sequência dos confrontos entre a polícia e os manifestantes e garantiu "restaurar a ordem" por todos "os meios necessários". 

"O Governo lamenta a perda de quatro vidas humanas", durante uma ocorrência que o executivo considerou estar "relacionada com o crime organizado e a insurreição", disse o ministro do Interior, Antoine Félix Abdoulaye Diome, durante uma declaração transmitida pela televisão, citada pela France-Presse (AFP). 

O governante acrescentou que o Executivo vai mobilizar "todos os meios necessários para restaurar a ordem" e acusou Ousmane Sonko de "lançar apelos à violência" e à "insurreição". 

Ousmane Sonko, que ficou em terceiro lugar nas eleições presidenciais de 2019 e é visto como um dos principais concorrentes das eleições presidenciais de 2024 , foi formalmente detido, esta quarta-feira (0.3.03) sob a acusação de perturbação da ordem pública, quando se dirigia ao tribunal onde foi intimado a responder a acusações de violação. Foi presente a um juíz, esta sexta-feira (05.03), e viu a sua custódia ser prolongada por mais dois dias.

Desde a detenção, as escaramuças com a polícia têm vindo a abalar o país. Na capital Dakar, vários distritos têm sido palco de saques e pilhagens de lojas.

A violência está também a abalar Casamança, no sul do país, de onde provém a família de Ousmane Sonko. Ao nosso correspondente em Casamança, vários jovens que participam nas manifestações para a libertação do opositor, dizem acreditar que Ousmane Sonko está a ser vítima de uma conspiração para o afastar da corrida presidencial de 2024.

 Ben Michel Kanfondy, um jornalista da estação de rádio local Sud-FM, conta que "há fumo em praticamente todo o lado: as lojas estão a ser incendiadas e edifícios públicos estão a ser destruídos. O país está em perigo. A estabilidade do país está ameaçada".

Ben Michel Kanfondy apela ao Presidente Macky Sall para que intervenha e "tome uma decisão sensata".

António Guterres "muito preocupado"

Também, esta sexta-feira (05.03), o secretário-geral da Organização das Nações Unidas (ONU), António Guterres exortou todas as partes a evitarem qualquer nova escalada da violência.

"As manifestações devem permanecer pacíficas e as forças de segurança e policiais devem agir sempre em conformidade com os direitos humanos internacionais", em particular "permitir que os manifestantes expressem a sua opinião e vontade", disse o porta-voz, Stéphane Dujarric.

Leia mais