Seca é o desastre natural mais mortífero | MEDIATECA | DW | 17.06.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Seca é o desastre natural mais mortífero

As secas matam mais que qualquer outro desastre natural, afirmam as Nações Unidas. Nas últimas três décadas, mais de 1,5 mil milhões de pessoas morreram devido ao fenómeno. 10 províncias de Angola estão em risco.

Ouvir o áudio 03:36

Esta segunda feira, 17 de junho, celebra-se o Dia Mundial de Combate à Desertifição e à Seca, criado pela ONU em 1994. Sob o lema "Don't let our future dry up"- em português, "Não deixe o nosso futuro secar" - o organismo internacional apela para o uso sustentável da água e a conservação da terra.

Atualmente, mil milhões de pessoas sofrem com escassez de água e mais de 40% da superficie terrestre no mundo é de desertos e áreas com baixos índices pluviométricos. Yukie Hori, uma das coordenadoras da Convenção das Nações Unidas de Combate à Desertificação (UNCCD), afirma que "as secas são desastres naturais, mas, ao contrário de outros desastres, elas se instalam lentamente. Portanto, elas são previsíveis e podem ser mitigadas".

"No entanto", continua a especialista, "elas afetam mais vidas que qualquer outro desastre - mais que terremotos e furacões juntos. Com as mudanças climáticas, as secas devem aumentar em intensidade, frequência e extensão. Somente um país no mundo tem uma ampla política nacional para a seca".

Angola: seca afeta 2 milhões

Em Angola, uma seca persistente tem assolado há dois anos 10 das 18 províncias do país. A estiagem prolongada atinge principalmente Benguela, Cunene, Huíla e Namibe, no sul de Angola. Na região, muitas famílias vivem da agricultura e pecuária. Falta água e comida para as pessoas e pastagem para os rebanhos. No início do ano, a Cruz Vermelha Internacional alertou que quase dois milhões de angolanos estavam sofrendo com a escassez de alimentos devido à alternância de secas e inundações.

O representante da Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura (FAO) em Angola, Mamoudou Diallo, frisa que esta é "uma zona muito frágil ecologicamente, os ecossistemas são muito frágeis". Por outro lado, afirma, "esta é uma zona com um défice pluviométrico recorrente e os câmbios climáticos no mundo inteiro também têm repercussão no sul de Angola". O representante da FAO ressalta também a importância de se criar um sistema nacional de alerta e resposta rápida, que permita antever as secas.

Migração e abandono escolar são consequências

Em Gambos, município na província de Huíla, o padre Pio Wakussanga tem acompanhado de perto o impacto da estiagem na população local.

De acordo com Wakussanga, a seca tem promovido a migração de jovens para as cidades. "Muitos estão a sair das suas zonas, sobretudo rapazes. Infelizmente, as mulheres que têm filhos têm de ficar lá", conta. "Mas os rapazes", afirma, "estão a procurar nas vilas e cidades algum tipo de trabalho pontual, precário".

Pio Wakussanga afirma ainda que a seca diminuiu a frequência dos alunos nas escolas, além de causar um aumento dos casos de cólera, devido à falta de água potável. Segundo várias fontes, cerca de 900 mil pessoas precisam urgentemente de ajuda alimentar na província de Huíla.