São Tomé: MLSTP-PSD reivindica vitória nas eleições legislativas | São Tomé e Príncipe | DW | 08.10.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

São Tomé: MLSTP-PSD reivindica vitória nas eleições legislativas

Horas depois do fecho das urnas, o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) anunciou que venceu as legislativas. Segundo a Comissão Eleitoral, a afluência foi inédita.

A Comissão Eleitoral Nacional só deverá divulgar os resultados das legislativas esta segunda-feira de manhã. No entanto, de madrugada, o Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD) já cantava vitória.

"Conforme os dados provisórios chegados ao gabinete de campanha do MLSTP-PSD, gostaríamos de dizer ao povo são-tomense e ao mundo que o MLSTP ganhou as eleições legislativas de 2018", anunciou o diretor de campanha do partido, Osvaldo Vaz.

Sao Tome and Principe Wahlkampagne Patrice Trovoada

Patrice Trovoada, candidato da ADI

Antes, o partido no poder em São Tomé e Príncipe, a Ação Democrática Independente (ADI), já admitira que perdera a maioria absoluta. Contudo, ainda esperava conseguir formar Governo.

"Vamos aguardar os resultados calmamente", disse, durante o dia, o primeiro-ministro cessante Patrice Trovoada, que foi vaiado pelos eleitores depois de exercer o seu direito de voto.

Afluência em massa

Ao todo, cerca de 90 mil eleitores foram chamados às urnas para elegerem um novo Parlamento e novas assembleias distritais e regionais. A Comissão Eleitoral Nacional (CEN) diz que nunca registou uma afluência às urnas tão grande às primeiras horas do dia.

"Nunca vimos, falei com os coordenadores em todos os distritos e da região autónoma do Príncipe e dizem-me que há filas de cento e tal pessoas", disse Ambrósio Quaresma, porta-voz da CNE.

A missão de observação da Comunidade dos Países de Língua Portuguesa (CPLP), chefiada pelo antigo ministro dos Negócios Estrangeiros de Timor- Leste, Zacarias da Costa, também observou filas em várias assembleias: "Em alguns sítios houve filas de 40 a 60 pessoas, noutras houve poucas filas. Durante o dia, as pessoas foram participando. Quisemos percorrer todas as assembleias de voto. Aqui, em Água Grande, tem 83 assembleias e cobrimo-la totalmente", disse.

Ouvir o áudio 03:17

São Tomé: MLSTP-PSD reivindica vitória nas eleições

"Acordo de princípio" para formar Governo

Segundo a CEN, a votação decorreu, em geral, "com normalidade". No entanto, terá de ser repetida no próximo domingo na Roça Rosema, distrito de Lembá (noroeste), porque a população impediu o acesso uma mesa de voto, em protesto contra a falta de água, estradas e energia. Além disso, a polícia teve de disparar tiros para o ar na cidade Guadalupe, a 12 quilómetros da capital, "porque houve uma enchente de pessoas e os ânimos começaram a exaltar-se".

O primeiro-ministro cessante votou nessa cidade. Patrice Trovoada é o cabeça de lista da ADI no círculo eleitoral de Lobata e estava expectante em relação aos resultados. "É um momento de reflexão. É um momento para nós, os políticos, de muita ansiedade", disse no domingo aos jornalistas.

Concorrente direto ao cargo de primeiro-ministro, Jorge Bom Jesus, presidente do MLSTP-PSD, exerceu o seu direito de voto nos arredores da capital de São Tomé e Príncipe: "Nós sentimos que a população, amordaçada há quatro anos, está cansada e quer virar de página", afirmou.

Bom Jesus salientou ainda que o MLSTP-PSD tem um "acordo de princípio" com a coligação formada pelo Partido da Convergência Democrática (PCD), a União para a Democracia e Desenvolvimento (UDD) e o Movimento Democrático Força da Mudança (MDFM) para formar um novo Governo.

"Ao longo destes quatro anos, o país bipolarizou-se. A oposição criou afinidades", explicou. "Há um acordo de princípio que nós respeitaremos, até porque o nosso lema é 'São Tomé e Príncipe para todos.' Queremos contar com todas as competências válidas deste país."

Leia mais