São Tomé e Príncipe prepara-se para abrir a primeira universidade pública do país. | MEDIATECA | DW | 14.06.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

São Tomé e Príncipe prepara-se para abrir a primeira universidade pública do país.

O projeto já está em andamento e é uma parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais, em Belo Horizonte, que foi palco esta semana do encontro da AULP, Associação das Universidades de Língua Portuguesa.

Ouvir o áudio 03:20

Autoridades brasileiras e de São Tomé e Príncipe vão se reunir a partir de agora para acertar os detalhes para a construção da primeira universidade pública no país africano.
A garantia é da UFMG, a Universidade Federal do Estado de Minas Gerais que recebeu a missão do governo brasileiro de cooperar na constituição da faculdade. A previsão do reitor da UFMG, Clélio Campolina, é para o ano que vem, " agora vamos analisar o investimento físico necessário e como captar professores".

A Universidade Federal de Minas Gerais foi palco, nesta semana, do encontro da AULP, Associação das Universidades de Língua Portuguesa. O encontro foi na cidade brasileira de Belo Horizonte, onde confirmamos a notícia com o do Presidente do Instituto Superior Politécnico em São Tomé e Príncipe. Peregrino de Sacramento da Costa tem uma previsão até mais apertada do que a estimativa do Brasil, " a perspetiva não é para o ano que vem, a perspetiva é já ".

Uma universidade local pode fixar os estudantes

Ainda de acordo com Peregrino da Costa, ter a oportunidade de estudar no país africano será importante para o próprio crescimento de São Tomé e Príncipe, "nós temos muitos estudantes fora do país, estudam em realidades completamente distintas e muitos dos quais não regressam ao país".

Ainda durante o encontro da AULP, em Belo Horizonte, houve repercussão sobre o recente anúncio do programa brasileiro que vai financiar 45 projetos, de 20 universidades brasileiras, na área da educação para África. O reitor da UFMG, Clélio Campolina, que é também vice presidente da AULP, pelo Brasil, explica os principais pontos dos projetos, " a Universidade de Minas Gerais tem 13 projetos, na área de saúde, de reestruturação dos cursos de engenharia da região de Nampula, Moçambique, onde está a Vale, tem projectos na área da ciência, etc".