São Tomé: Arranca campanha para segunda volta das presidenciais | São Tomé e Príncipe | DW | 26.08.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

São Tomé: Arranca campanha para segunda volta das presidenciais

A campanha eleitoral para a segunda volta das eleições presidenciais em São Tomé e Príncipe, que se realiza em 5 de setembro, começou hoje depois de vários incidentes que marcaram a primeira volta, em 18 de julho.

Na corrida presidencial estão o candidato apoiado pela Ação Democrática Independente (ADI, oposição), Carlos Vila Nova, e Guilherme Posser da Costa, que tem o apoio do Movimento de Libertação de São Tomé e Príncipe - Partido Social Democrata (MLSTP-PSD, no poder).

Carlos Vila Nova é engenheiro de formação e foi por duas vezes ministro das Infraestruturas e Recursos Naturais nos governos da ADI, do então primeiro-ministro Patrice Trovoada.

Vila Nova, que venceu a primeira volta das presidenciais com 43,3% dos votos, disse na sua última declaração à imprensa que está "confiante na força e na vontade popular".

Guilherme Posser da Costa foi o segundo candidato mais votado na primeira volta, registando 20,7% dos votos. Advogado e antigo primeiro-ministro são-tomense, Posser da Costa, na sua mais recente declaração à imprensa, defendeu que "o povo ainda não escolheu um vencedor" e afirmou-se como candidato que "sempre tem pugnado pela paz, pela estabilidade quer social, quer institucional, como garantia necessária para o progresso de São Tomé e Príncipe".

Assistir ao vídeo 02:32

São Tomé: Presidente alerta contra compra de votos

Continuidade de funções de Evaristo Carvalho?

A segunda volta decorre ainda sob a incerteza quanto à continuidade em funções do Presidente da República em exercício, Evaristo Carvalho, que completa cinco anos de mandato em 3 de setembro.

O presidente do Parlamento, Delfim Neves, considera que "o mandato do Presidente da República não é prorrogável", por isso Evaristo Carvalho deverá deixar a presidência a partir de 03 de setembro, devendo o cargo ser ocupado interinamente pela segunda figura do país que é o Presidente da Assembleia Nacional.

A ADI e o MLSTP-PSD são contra a posição de Delfim Neves e consideram que o Presidente Evaristo Carvalho deve continuar em funções até à tomada de posse do seu sucessor.

Delfim Neves disputou a primeira volta das presidenciais e interpôs um recurso no Tribunal Constitucional para a recontagem dos votos. Este processo paralisou o tribunal, com os juízes divididos sobre a necessidade de recontagem dos votos, que acabou por ser recusada, e gerou uma crise política que atrasou a marcação da segunda volta.

De acordo com a Comissão Eleitoral Nacional (CEN) 123.302 eleitores estão inscritos nos cadernos eleitorais, sendo 108.609 residentes em São Tomé e Príncipe e 14.693 nos 10 países onde se realizou o recenseamento eleitoral este ano.

Assistir ao vídeo 02:24

São Tomé e Príncipe vota para escolher novo Presidente

Leia mais