Ruanda anuncia destruição de esconderijos de terroristas em Moçambique | Moçambique | DW | 14.02.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Ruanda anuncia destruição de esconderijos de terroristas em Moçambique

As forças governamentais de Moçambique e do Ruanda destruíram "novos" esconderijos de terroristas e mataram dois rebeldes, no distrito de Palma, província de Cabo Delgado, anunciou hoje o Ministério da Defesa ruandês.

Numa nota que divulgou no seu portal, aquele ministério avança que os novos abrigos dos terroristas foram desativados em Nhica do Rovuma e em Pundanhar, na zona oeste do distrito.

Os insurgentes que se encontravam acampados nesses abrigos fugiram em direção a Muidumbe, uma zona sob atuação da Missão Militar da África Austral (SAMIM), que também combate os grupos armados em Cabo Delgado, refere o Ministério da Defesa do Ruanda.

O texto adianta que as mais recentes operações militares resultaram no resgate de 17 civis durante a fuga dos insurgentes.

Entre as pessoas resgatadas incluem-se mulheres e crianças, tendo dois dos rebeldes sido capturados e outros dois mortos na posse de armas ligeiras.

Mulheres soldado ruandesas em Moçambique

Insurgentes "muito fragilizados"

O comandante ruandês P. Mihizi disse às tropas conjuntas que os grupos armados estão muito fragilizados, mas a vigilância às movimentações do inimigo não deve ser relaxada, refere-se na nota.

A província de Cabo Delgado é rica em gás natural, mas aterrorizada desde 2017 por rebeldes armados, sendo alguns ataques reclamados pelo grupo extremista Estado Islâmico.

O conflito já provocou mais de 3.100 mortes, segundo o projeto de registo de conflitos ACLED, e mais de 817 mil deslocados, de acordo com as autoridades moçambicanas.

Desde julho, uma ofensiva das tropas governamentais com o apoio do Ruanda a que se juntou depois a Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC) permitiu aumentar a segurança, recuperando várias zonas onde havia presença de rebeldes.

 

Leia mais