Riqueza em recursos naturais provoca chuva de investimentos estrangeiros em Moçambique | Moçambique | DW | 24.04.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

Riqueza em recursos naturais provoca chuva de investimentos estrangeiros em Moçambique

O interesse da Shell em explorar o gás moçambicano está a agitar Maputo. A petrolífera anglo-holandesa tenta a todo o custo obter as ações da Cove Energy, que explora o recurso em Moçambique.

MOUNT PROSPECT, IL - MARCH 30: A Shell Oil tanker truck moves down a street March 30, 2005 in Mount Prospect, Illinois. The average price of a gallon of regular unleaded gasoline is now up to $2.153, setting yet another record price. (Photo by Tim Boyle/Getty Images)

Symbolbild Shell Öl Tanker

Nos últimos tempos Moçambique tem atraído muito investimento estrangeiro devido às descobertas de gás natural. A empresa irlandesa Cove Energy colocou à venda 8,5% das ações que detém na prospecção de hidrocarbonetos liderada pela norte-americana Anadarko. A empresa tailandesa PTT manifestou interesse, tal como a Shell.

Assédio da Shell

Plataforma petrolífera flutuante da Shell

Plataforma petrolífera flutuante da Shell

Entretanto o assédio da Shell tem sido tão grande que está a provocar uma agitação neste mercado. A Cove Energy, por seu lado, já demonstrou a sua satisfação pela oferta da Shell, que agora subiu para 1,37 mil milhões de dólares.

Mas o que é que esse interesse pode representar para Moçambique?Sebastian Meiler da Economist Intelligence Unit acredita que estas riquezas e consequente chuva de investimentos estrangeiros significa "a mudança da estrutura económica" de Moçambique. O economista acredita que "nos próximos dois anos veremos importantes investimentos na indústria extrativa, principalmente do gás. Isso irá impulsionar o crescimento da economia moçambicana, atrair investimento adicional também para infra-estruturas e para o sector privado".

Críticas ao governo

Enquanto a disputa entre as empresas prossegue, o governo moçambicano estuda formas de tirar mais valias desta situação. Mas Maputo já fez saber que vai taxar a operação de compra das ações da Cove Energy com um imposto de 12,8%. Entretanto, o governo moçambicano tem sido alvo de várias críticas a nível interno e externo por falta de transparência e por não tirar os devidos proveitos dos mega-projetos, facto que prejudica o país.

Para Sebastian Merley os resultados destes investimentos, em termos de desenvolvimento do país, podem ser positivos se o governo mantiver "as coisas claras com os investidores, em termos de transparência, no que diz respeito à forma de taxação na transação entre a Cover Energy e as empresas interessadas".

O economista defende que os cidadãos têm de saber quanto o governo ganha com a transação. Também é tarefa do governo, acrescenta Merley, "investir em infra-estruturas, mas também noutros sectores".

Boas perspectivas de crescimento mas...

De acordo com previsões da Economist Intelligence Unit, Moçambique vai ter um crescimento forte atingindo uma média de 8% ao ano, devido principalmente, ao sector mineiro. Apesar das boas perspectivas de crescimento económico apresentadas pelo próprio governo e por instituições internacionais, as condições de vida das populações ainda são difíceis.

Segundo a Economist Intelligence Unit, as condições de vida das populações ainda são difíceis. Na foto: pessoas a vender no mercado informal

Segundo a Economist Intelligence Unit, as condições de vida das populações ainda são difíceis. Na foto: pessoas a vender no mercado informal

A sociedade civil local tem relatado casos em que as comunidades em redor dos mega-projectos não registaram melhorias assinaláveis. Face a isto a Economist Intelligence Unit considera que o governo deve providenciar mais benefícios à população.

Por outro lado a organização tem uma previsão otimista para o país, sob o ponto de vista do comércio internacional. Segundo Sebastian Melier, "É certo que Moçambique se tornará um importante interveniente no comércio internacional. A Anadarko tem muito interesse no gás, o que significa que ele será vendido para vários lugares".

Autora: Nádia Issufo
Edição: Carla Fernandes/António Rocha

Ouvir o áudio 04:03

Riqueza em recursos naturais provoca chuva de investimentos estrangeiros em Moçambique

Leia mais