RENAMO nega envolvimento em ataques no centro de Moçambique | Moçambique | DW | 15.10.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO nega envolvimento em ataques no centro de Moçambique

Polícia de Manica anunciou a detenção na semana passada de três indivíduos, acusados de realizarem ataques nas zonas de Gondola e Mossurize, no centro do país. RENAMO rejeita envolvimento.

Segundo a polícia, os três indivíduos foram detidos na sexta-feira (11.10). Um dos detidos foi motorista do falecido líder da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO), Afonso Dhlakama, outro era major e o outro tenente.

Os três homens são suspeitos de envolvimento no assassinato de um dirigente da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO, no poder) em Mossurize, a 1 de outubro, e de atacar uma viatura protocolar do administrador de Gondola, que, segundo a polícia, ficou "completamente carbonizada".

"Foi possível neutralizar três elementos integrantes dos homens armados da RENAMO", informou o chefe do departamento de relações públicas no comando provincial de Manica, Mário Arnaça.

Ouvir o áudio 02:10

RENAMO nega envolvimento em ataques

Mas a RENAMO nega o envolvimento de elementos do partido nos ataques.

Segundo o candidato do partido a governador de Manica, Alfredo Magumisse, "aqueles que são comandados pelo general Ossufo Momade, nenhum dele fez isso. O resto já não sei", afirmou

A polícia não permitiu que os três detidos fossem entrevistados.

Na região continuam homens armados da autoproclamada "Junta Militar" da RENAMO, que contestam o presidente do partido, Ossufo Momade.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados