RENAMO não aceita adiamento de eleições distritais em Moçambique | Moçambique | DW | 08.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO não aceita adiamento de eleições distritais em Moçambique

A RENAMO, principal partido da oposição, rejeitou hoje um eventual adiamento das eleições distritais em 2024, frisando que o escrutínio faz parte do processo de paz, aprofundamento da democracia e reconciliação nacional.

"A realização das eleições distritais de 2024 deriva do cumprimento do comando constitucional que foi alcançado depois de um longo e sinuoso diálogo político entre a RENAMO e o Governo da República de Moçambique", disse Saimone Macuiana, presidente do conselho jurisdicional nacional do principal partido da oposição. 

Macuiana reagia ao apelo que o Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, lançou no último dia 28 para "uma reflexão" sobre a viabilidade de realização das eleições distritais em 2024. 

Hoje, na conferência de imprensa, o presidente do conselho jurisdicional da Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) enfatizou que adiar as eleições seria uma violação da Constituição da República, porque o mesmo está previsto na lei fundamental do país, na sequência dos entendimentos alcançados entre o executivo e o partido.

"Não seria bom e nem ético, numa altura em que o processo de assuntos militares está a decorrer sem muitos sobressaltos, recuar em relação ao processo de descentralização", realçou Saimone Macuiana. 

Sobre "assuntos militares", o responsável referia-se ao processo em curso do Desarmamento, Desmobilização e Reintegração (DDR) do braço armado da RENAMO.

Saimone Macuiana, presidente do conselho jurisdicional da RENAMO

Saimone Macuiana, presidente do conselho jurisdicional da RENAMO

RENAMO pede "cumprimento rigoroso dos acordos"

Aquele político avançou que o principal partido da oposição não está disponível para um diálogo ou negociações sobre uma alteração da Constituição da República que viabilize o adiamento das eleições distritais.

"A RENAMO apela ao Governo da República de Moçambique para que tudo seja feito para o cumprimento rigoroso dos acordos, tanto na letra, como no espírito", frisou Saimone Macuiana.

O responsável exortou a sociedade civil moçambicana, confissões religiosas e a comunidade internacional a trabalharem no sentido de assegurar que o país consolide a paz e reconciliação nacional, apoiando a realização de eleições distritais.

O chefe de Estado moçambicano lançou o desafio sobre a viabilidade das eleições distritais em 2024, falando no encerramento da reunião do Comité Central da Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO), partido no poder e do qual Filipe Nyusi é presidente. 

O escrutínio será o primeiro na história do país e é parte do processo de descentralização acordado entre o Governo da FRELIMO e a RENAMO. 

Secretário-geral da RENAMO diz que DDR está no bom caminho

Leia mais