RENAMO está fora das eleições autárquicas | MEDIATECA | DW | 06.08.2013

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

RENAMO está fora das eleições autárquicas

STAE confirma que partido não se inscreveu nesta terça-feira (6/8), data limite para o registro no pleito. MDM defende que RENAMO e FRELIMO deveriam ser responsabilizadas por "situação negativa que país esta a passar".

Ouvir o áudio 03:51

Após o fim do prazo legal de inscrição dos partidos e organizações paras as eleições autárquicas, a Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) não consta entre as siglas concorrentes. A confirmação foi dada pelo Secretariado Técnico da Administração Eleitoral (STAE) à DW África no final da tarde desta terça-feira (6/7).

Dezoito partidos, grupos de associações e uma coligação já estão inscritos para as eleições autárquicas de 20 de novembro em Moçambique. O maior partido da oposição tem ameaçado boicotar o pleito caso não sejam atendidas as suas exigências, nomeadamente, em relação à lei eleitoral.

Na segunda-feira (5/7), a 13ª ronda negocial entre RENAMO e governo da FRELIMO (Frente de Libertação de Moçambique) voltou a terminar sem avanços. Face ao impasse político, o Movimento Democrático de Moçambique (MDM), a terceira força política do país, considera que tanto a FRELIMO como a RENAMO não estão interessadas num verdadeiro diálogo.

Na opinião do líder do MDM, Daviz Simango, os dois partidos pretendem coligar-se para dominarem o cenário político do país. "Não vão produzir nada porque é um diálogo de surdos", dispara Simango.

Para ele, FRELIMO e RENAMO se limitam a "gastar recursos do erário público sem produzirem nada". Ele diz que não há razões para que as duas formações políticas, que dizem estar em diálogo, levem tanto tempo para discutir o assunto.

"Há má vontade política e, de certo modo, também se nota o comodismo por parte da oposição. Nota-se que a RENAMO está a ficar atrás, a FRELIMO está a perder o terreno e há o interesse dos dois por tentarem travar o MDM", afirmou o líder do MDM em entrevista exclusiva à DW África.

Histórico de desavenças

Em clima de tensão política, a RENAMO contesta as eleições a 20 de Novembro. A FRELIMO, no poder, por sua vez, está em fase de eleição interna dos candidatos aos municípios. Por outro lado, o MDM, fundado em 2009, e que conta com oito deputados na Assembleia da República, está mobilizado.

Simango já anunciou que o partido irá, pela primeira vez, candidatar-se aos 53 municípios do país. "Não é negando ao processo de votação que se diz que se está a fazer política. O que se está a criar é a promoção da atitude arrogante do partido no poder", reclamou.

Ele lembrou que, em 1998, o partido no poder concorreu sozinho. Para ele não se pode permitir prejudicar os calendários eleitorais, os périplos eleitorais de 5 em 5 anos, dando início a "diálogos fantasmas, no lugar de mobilizar os moçambicanos para a mudança", ponderou Simango.

O líder do MDM salientou que o seu partido deseja que hajam eleições. Ele não aceita que sejam criadas "linguagens ou situações para se dizer que o país está num estado de sítio e que não há condições para eleições".

Simango acha que as duas siglas adversárias deveriam ser responsabilizadas pelo que qualificou como "situação [política] negativa que Moçambique está a passar".

Quebra de hegemonia

O Movimento Democrático de Moçambique é o único partido da oposição moçambicana que governa duas autarquias: Beira e Quelimane, no centro do país. Daviz Simango irá recandidatar-se, pela terceira vez, ao município da Beira e seu correligionário Manuel Araújo voltará a concorrer em Quelimane.

O partido já apresentou os candidatos para a capital e ainda para a província de Sofala (centro) e Nampula (norte). Neste momento, o MDM prepara a recolha de assinaturas dos apoiantes para que possa estar presente em todos os municípios.

Questionado sobre os objetivos do Movimento Democrático de Moçambique para as autárquicas, Daviz Simango respondeu que o MDM não está sob pressão. "Estamos a entrar no campeonato, estamos a entrar no jogo eleitoral e vamos ver onde podemos chegar", afirmou. Para ele, o importante é vencer "de uma forma justa e transparente".

"Gostaríamos de alertar ao partido no poder que não use a violência, que não instrumentalize a polícia porque nós não queremos violência nestas eleições, como aconteceu em Inhambane e como tem acontecido noutros pleitos eleitorais", disse.  Simango também chamou a atenção do STAE, que está a organizar o processo no terreno, para que "promova a transparência".