RENAMO diz que afastamento de Mondlane tem ″motivações políticas″ | Moçambique | DW | 21.08.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RENAMO diz que afastamento de Mondlane tem "motivações políticas"

Maior partido da oposição moçambicana queixa-se da inviabilização da candidatura de Venâncio Mondlane, que trocou o MDM pela RENAMO, às eleições autárquicas de 10 de outubro. Lista de Samora Júnior denuncia perseguições.

default

Venâncio Mondlane renunciou ao mandato na Assembleia Municipal de Maputo, em 2015, para ocupar a função de deputado, na altura pelo MDM

A Resistência Nacional Moçambicana (RENAMO) apelou esta terça-feira (21.08) à Comissão Nacional de Eleições (CNE) para não contrariar os feitos alcançados na busca da paz. E também pede que os órgãos eleitorais não continuem a ser fonte de conflitos em períodos eleitorais.

O posicionamento do principal partido da oposição moçambicana surge depois do afastamento, na noite de segunda-feira (20.08), do cabeça de lista da RENAMO pela cidade de Maputo, Venâncio Mondlane, às eleições autárquicas de 10 de outubro. A Comissão Nacional de Eleições (CNE) alegou irregularidades na candidatura, na sequência da impugnação solicitada pelo seu antigo partido. O Movimento Democrático de Moçambique (MDM) considera a candidatura ilegal, porque Mondlane renunciou ao mandato na Assembleia Municipal de Maputo em 2015.

Ouvir o áudio 03:10
Ao vivo agora
03:10 min

Afastamento de Venâncio Mondlane tem "motivações políticas"?

Para o porta-voz da RENAMO, José Manteigas, o chumbo de Venâncio Mondlane "tem motivações políticas", porque "a RENAMO é muito forte na cidade de Maputo". "Isto mete medo ao nosso opositor mais direto. E a única via que tem para parar esta caminhada para a vitória é criar este ambiente de perturbação aos nossos concorrentes", diz José Manteigas.

A RENAMO considera que não faz sentido a rejeição da candidatura de Mondlane, pois o partido seguiu à risca todos os passos exigidos por lei. "Espanta aos moçambicanos a rejeição da candidatura do cidadão Venâncio Mondlane. Este ato da Comissão Nacional de Eleições fere o direito fundamental do referido cidadão de eleger e ser eleito", sublinha o porta-voz.

A RENAMO aguarda agora a notificação da CNE para interpor recurso junto do Conselho Constitucional, "onde serão esgrimidos os competentes argumentos jurídicos e constitucionais".

Apoiantes de Samora Machel Júnior perseguidos

Em Maputo surgem também queixas da AJUDEM, movimento da sociedade civil que concorre às autárquicas. A organização que congrega cidadãos dissidentes da FRELIMO é liderada por Samora Machel Júnior, filho do primeiro Presidente de Moçambique independente, que virou costas à FRELIMO para se juntar à AJUDEM.

O movimento denuncia ameaças aos seus membros pelo partido no poder. Segundo o mandatário Zefanias Langa, a Frente de Libertação de Moçambique (FRELIMO) tem estado a coagir alguns membros da AJUDEM a abandonar a corrida eleitoral, sob ameaça de perda de empregos na função pública.

O responsável cita quatro associados a quem terão pedido para renunciar à candidatura à Assembleia Municipal. "Um dos integrantes, de nome Gaspar Marques, funcionário do MITADER [Ministério da Terra e Desenvolvimento Rural], teve de escolher entre perder o seu cargo e manter-se nesta lista", diz Zefanias Langa.

A candidatura de Samora Machel Júnior, que foi afastado internamente pela FRELIMO, foi questionada após quatro integrantes da lista da AJUDEM  terem pedido à CNE para retirar os seus nomes da lista, alegando que foram adicionados contra a sua vontade.

A organização garante que todos os seus candidatos à Assembleia Municipal inscreveram-se de livre e espontânea vontade. "Tivemos o cuidado de fazer as cópias de todos os processos dos candidatos ao Conselho Municipal. É estranho quando aparecem com declarações para denegrir a imagem da nossa organização", critica o mandatário.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados