Relatório revela normas repressivas contra médicos cubanos no estrangeiro | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 29.07.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Relatório revela normas repressivas contra médicos cubanos no estrangeiro

Human Rights Watch revela que Governo cubano impõe vigilância e restrições aos médicos no estrangeiro. Além de receber parte do salário dos profissionais, Havana controla com quem eles se relacionam e falam.

As condições de trabalho a que estão sujeitos os médicos cubanos que frequentemente são enviados para o estrangeiro para ajudar em zonas de crise voltaram ao debate depois de uma recente denúncia da Human Rights Watch (HRW).

Numa altura em que mais de 2 mil médicos cubanos combatem em 35 países do globo a pandemia da Covid-19, a organização de direitos humanos volta a pedir aos governos que recebem estes profissionais que intercedam por aquilo a que chama "os direitos básicos” destes trabalhadores.

O Governo de Havana recebe elevadas somas pelos serviços prestados pelos médicos. A sua "exportação" é uma importante fonte de divisas para o regime; os próprios trabalhadores qualificados recebem apenas uma fracção do que os países recetores pagam. 

Relatores da ONU associaram num relatório de 2019 o sistema dos médicos cubanos à "escravatura moderna". Agora, a HRW junta-se às denúncias sobre as condições de trabalho. Segundo a organização, as normas de conduta "draconianas" violam numerosos direitos básicos dos chamados médicos "colaboradores", tais como a liberdade de expressão, liberdade de reunião, liberdade de movimento, direito à privacidade, e outros.

António Guedes é ex-presidente e membro da direção do partido da oposição União Liberal Cubana (ULC) e está exilado em Espanha. À DW, ele afirma que, apesar de tardia, esta chamada de atenção por parte da Human Rights Watch é bem-vinda.

"Poderia fazer a diferença no sentido em que Cuba seria obrigada a mudar um pouco as condições de vida dos cubanos, mas duvido que o façam. Duvido muito que as empresas que investem em Cuba, e os governos que recebem os profissionais cubanos pressionem [o Governo cubano], porque não lhes interessa”, lamenta Guedes.

Ouvir o áudio 03:39

Relatório revela o drama dos médicos cubanos no estrangeiro

Trabalho valioso

De fato, o trabalho destes médicos é crucial para as comunidades de muitos países estrangeiros. Em Moçambique, por exemplo, a colaboração desses profissionais foi uma ajuda valiosa na crise humanitária que se instalou no país - após os ciclones Idai e Kenneth no ano passado. O mesmo se passa atualmente com a pandemia de Covid-19.

À semelhança de Moçambique, também Angola, São Tomé e Príncipe, Guiné-Bissau, Cabo Verde e Guiné-Equatorial têm estado a receber médicos cubanos.

António Guedes não tem dúvida. O envio dos profissionais para estes países por parte do regime cubano não é inocente. "Há três fatores principais: primeiro, a imagem - por incrível que pareça - sempre foi incrivelmente importante para a ditadura cubana a sua imagem perante o mundo. Em segundo lugar está a influência política que o regime consegue através da troca de informações de inteligência, favores e aí por diante. E por último, o factor económico.”

Ao contrário do regime cubano são os médicos que acabam por ter de pagar um preço demasiado alto por estas missões. É que, denuncia a Human Right Watch, é o governo quem dita, por exemplo, com quem vivem estes médicos, por quem se apaixonam ou com quem falam. Qualquer contato com pessoas que sejam críticas à "revolução cubana" é proibido e toda e qualquer má conduta por parte de um colega deve ser imediatamente denunciada pelos demais.

"Superpotência médica"

Este tipo de restrições não é novidade, e António Guedes acredita que estejam para ficar, apesar da mudança de Governo.

 "De acordo com a Constituição, o órgão mais alto do Estado é o Partido Comunista. Não houve alterações na Constituição, não houve alterações naqueles que efetivamente governam o país. Raúl Castro continua a ser o secretário-geral do Partido Comunista”.

Assim, e independentemente do Governo, diz António Guedes, a prioridade do regime é e será sempre reforçar a imagem de Cuba como uma superpotência médica.

"É esta imagem que querem vender, apesar de na realidade faz muitos anos que Cuba deixou de o ser. Em Cuba falta de tudo no setor da saúde. Faltam medicamentos, faltam profissionais, a infra-estrutura é desastrosa. Estou a falar para o povo. Não estou a falar para as clínicas ou para os turistas e elites que pagam em dólares ou em euros”.

Assistir ao vídeo 02:21

Moçambique: O destino da vila de Búzi pós-Idai

Leia mais