Reino Unido quer centro de defesa cibernética em África | NOTÍCIAS | DW | 12.05.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Reino Unido quer centro de defesa cibernética em África

Governo britânico anuncia interesse em ajudar países a protegerem-se de ataques cibernéticos de Rússia e China. Na agenda, está a criação de um centro cibernético que operaria em Etiópia, Gana, Quénia, Nigéria e Ruanda.

O Governo do Reino Unido disse esta quarta-feira (12.05) que investirá o equivalente a 25 milhões de euros para ajudar os países vulneráveis de África e do Pacífico a construir defesas cibernéticas para evitar que a China, Rússia e outros preencham o "vácuo no ciberespaço".

O ministro britânico do Exterior, Dominic Raab, disse que o investimento do Reino Unidos seria usado para apoiar as equipas nacionais de resposta cibernética, aconselhar campanhas de consciencialização de segurança online em massa e colaborar com a Interpol para a criação de um novo centro de operações cibernéticas em África.

Este centro operaria em Etiópia, Gana, Quénia, Nigéria e Ruanda para ajudar a combater o crime cibernético nas economias em rápido crescimento, disse o escritório de relações exteriores.

UK Aussenminister Dominic Raab

Raab: "Temos que impedir que preencham o vácuo multilateral"

Ciberespaço livre

Raab disse que o Reino Unido e seus parceiros precisam tomar medidas para garantir que haja um ciberespaço livre, aberto e pacífico diante de estados hostis que procuram minar eleições democráticas e transformar a Internet em um espaço sem lei.

"Temos que conquistar corações e mentes em todo o mundo para um espaço muito mais amplo, para a nossa visão positiva de um ciberespaço… Para o benefício de todo o mundo", disse Raab numa conferência de segurança online.

"Francamente, também temos que impedir que a China, a Rússia e outros países preencham o vácuo multilateral. Isso significa fazer muito mais para apoiar os países mais pobres e mais vulneráveis, que estão mais em risco".

No mês passado, o Reino Unidos se uniu aos Estados Unidos para dizer que o serviço de inteligência estrangeira da Rússia foi responsável por hackear a SolarWinds, o que afetou nove agências federais e centenas de empresas do setor privado.

Schwarze Hand mit Russland-Fahne ueber Computerplatinen, Symbolfoto Cyberattacken

Reino Unido quer impedir influência russa no espaço cibernético

Tecnologias emergentes

O principal espião cibernético do Reino Unido também advertiu em abril que o Ocidente precisava agir urgentemente para garantir que a China não dominasse tecnologias emergentes importantes e ganhasse o controle do "sistema operacional global".

Raab disse que o investimento do Reino Unidos seria usado para apoiar as equipas nacionais de resposta cibernética, aconselhar campanhas de consciencialização de segurança online em massa e colaborar com a Interpol para a criação de um novo centro de operações cibernéticas em África.

Este centro operaria em toda a Etiópia, Gana, Quênia, Nigéria e Ruanda para ajudar a combater o crime cibernético nas economias em rápido crescimento, disse o escritório de relações exteriores.

Assistir ao vídeo 01:29

Covid-19: Aumenta procura por recargas de telefonia móvel em Moçambique

Leia mais