Reino Unido cancela primeiro voo de deportação para o Ruanda | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 15.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Reino Unido cancela primeiro voo de deportação para o Ruanda

Foi cancelado o primeiro voo que esta terça-feira deveria deportar sete migrantes do Reino Unido para o Ruanda, após uma intervenção do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que alertou risco de "danos irreversíveis".

Os tribunais britânicos já tinham autorizado o voo para o Ruanda, mas um cidadão iraquiano recorreu ao Tribunal Europeu dos Direitos Humanos, que acabou por decidir a favor das pessoas visadas.

A secretária do Estado dos Negócios Estrangeiros britânica, Liz Truss, disse estar "desapontada" com a decisão do Tribunal Europeu dos Direitos Humanos. Contudo deixou indicação que vai preparar o próximo voo.

"É muito importante que estabeleçamos o princípio desta rota para o Ruanda. É uma parte fundamental da nossa estratégia para enfrentar os terríveis contrabandistas que estão a negociar as esperanças e sonhos das pessoas e, em muitos casos, a custar-lhes a vida", sublinhou.

Boris Johnson, primeiro-ministro britânico, defendeu o plano do Reino Unido, argumentando que é uma maneira legítima de proteger vidas.

"É preciso fazer uma distinção clara entre a imigração legal por vias seguras e legais, que apoiamos e defendemos porque todos nós sabemos dos seus benefícios para o nosso país. Outra coisa diferente é migração perigosa e ilegal através do Canal de Mancha. É o que pretendemos travar", explicou.

Tribunal impediu voo que transportaria requerentes de asilo do Reino Unido para o Ruanda

Tribunal impediu voo que transportaria requerentes de asilo do Reino Unido para o Ruanda

Pacto polémico assinado em abril

A 14 de abril, o Reino Unido e o Ruanda assinaram um pacto para enviar para o país da África Oriental migrantes que tinham entrado ilegalmente no Reino Unido. As autoridades do Ruanda irão processar os pedidos de asilo- Se forem bem sucedidos, os refugiados serão autorizados a permanecer nesse país.

O Reino Unido ajudará a cobrir com até cerca de 144 milhões de euros de despesas. Ativistas e várias organizações dos direitos humanos acusaram o Ruanda e Reino Unido de violações dos direitos humanos.

Será que o Ruanda tem condições para alojar o grupo que será repatriado? Lewis Mudge, diretor da Human Rights Watch para a África Central, responde que não está preocupado com a capacidade do Ruanda para receber os refugiados.

E coloca outra questão: "Será o Ruanda um país que respeita os direitos humanos, civis e políticos? Para nós, a resposta é não."

Protesto em Londres contra o repatriamento de requerentes de asilo para o Ruanda

Protesto em Londres contra o repatriamento de requerentes de asilo para o Ruanda

"Ruanda não respeita direitos humanos"

"Os ruandeses são conhecidos pela sua hospitalidade. Mas o Governo do Ruanda não respeita os direitos humanos", disse também Victoire Ingabire, a líder do movimento de oposição ruandês DALFA Umurinzi, que as autoridades recusaram até agora a registar como partido político.

"Quanto a estes requerentes de asilo, não terão futuro no Ruanda, uma vez que o país ainda está a reconstruir-se a si próprio", lembra Victoire Ingabire. "Os ruandeses estão classificados entre a população menos feliz do mundo no índice de felicidade de 2022 e as tensões políticas entre o Ruanda e os seus estados vizinhos tornaram-se frequentes e duradouras, tornando o país e toda a região dos Grandes Lagos num lugar menos seguro", acrescenta.

O Ruanda acolhe mais de 130.000 refugiados e migrantes de outras nações africanas e países como o Paquistão, Segundo o Governo ruandês.

No ano passado, Kigali, a agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR) e a União Africana (UA) alargaram um acordo para a transferência de requerentes de asilo na Líbia para o país da África Oriental.

Centenas de pessoas anteriormente enviadas para o Ruanda foram entretanto reinstaladas em países terceiros, de acordo com o ACNUR.

Regressar ao Ruanda para formar mão-de-obra qualificada