Registo eleitoral não começa para todos em Angola | Angola | DW | 22.09.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

Registo eleitoral não começa para todos em Angola

Em Angola, arranca nesta quinta-feira, (23.09.), o registo eleitoral oficioso. Na primeira fase, 84 postos foram montados, mas alguns municípios terão de aguardar até novembro. Processo gradual divide opiniões.

O Ministério da Administração do Território deverá instalar 590 pontos para o registo eleitoral dos cidadãos, os chamados Balcões Únicos de Atendimento Público (BUAP).

O plano é espalhar os BUAP por 164 municípios nas 18 províncias do país, mas estima-se, entretanto, que somente em novembro os balcões de registo eleitoral chegarão em todas as zonas do país, tal como avançou o ministro da Administração do Território, Marcy Lopes, numa entrevista à Televisão Pública de Angola (TPA).

"Será iniciada quinta-feira com 84 balcões de atendimento ao Público à escala nacional, em outubro serão lançados mais 256 BUAP e em novembro mais 256", explicou.

Angola Bengo | Elizário de Oliveira

Elizário de Oliveira, da UNITA, entende o arranque faseado como falta de preparação

Somente a partir de janeiro do próximo ano os eleitores residentes no exterior poderão fazer o seu registo. A aparente demora na chegada dos balcões em algumas áreas do país está a gerar dúvidas entre políticos e ativistas angolanos. O gradualismo do processo que está a dividir opiniões.

"Falta de preparação”

Nos seis municípios da província do Bengo, por exemplo, a primeira fase do registo eleitoral tem lugar apenas no Dande e Ambriz. O secretário-provincial para Assuntos Eleitorais da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), Elizário de Oliveira, entende o arranque faseado como falta de preparação.

"Esse modelo adotado mostra que o governo não está ainda preparado para atender o registo eleitoral em todo o território nacional porque em anos anteriores não houve essa necessidade do registo ser feito de forma faseada”, diz.

Os políticos dizem estar prontos para mobilizar os potenciais eleitores a fazerem o registo. O Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), por meio do seu porta-voz no Bengo, Arlindo Paulo, acredita no processo planeado pelo ministério.

Angola Bengo | Arlindo Paulo

Arlindo Paulo, porta-voz do MPLA no Bengo, acredita no processo planeado

"Estamos em crer que o processo vai abranger os seis municípios da nossa província e, nessa altura, queremos apenas encorajar a organização do processo para poder cumprir com os prazos”, diz.

Necessidade de acautelar questões técnicas

Pegando em situações anteriores, o sindicalista e analista Admar Jinguma também manifesta preocupação.

"Eu tenho, por exemplo, um parente próximo que se registou aqui no Bengo e foi até para o Cuando Cubango e, depois, na hora ninguém resolveu isso. É importante que as questões técnicas fossem bem acauteladas de maneira que não tenhamos um processo atabalhoado como aconteceu aqui no país", salienta.

O Ministério da Administração do Território espera que cerca de 12 milhões de cidadãos estejam registados até março de 2022.

Assistir ao vídeo 05:41

Angola: Como a Lei Eleitoral tem facilitado a consagração da fraude?

Leia mais