Redes sociais têm um relevante papel nas eleições quenianas | MEDIATECA | DW | 21.02.2013
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

MEDIATECA

Redes sociais têm um relevante papel nas eleições quenianas

Os quenianos vão às urnas a 4 Março. Ao contrário de há 5 anos atrás, mais quenianos recorrem à internet para se envolverem na caça ao voto. Mas qual é a influência deste meio no desenvolvimento democrático?

Ouvir o áudio 03:12

Todas as noites, após a hora do expediente, numa das esquinas do centro de Nairobi os homens encontram-se para discussões acesas. O tema é a política: quem apoia que candidato e porquê?

O que se passa aqui na rua espelha as discussões acaloradas na Internet. Os quenianos usam os chamados novos meios de comunicação social, como os blogs ou redes sociais como o Facebook e o Twitter, para debater a política.

Alguns políticos instalaram contas abertas para debater com os cidadãos. E têm que aguentar muitas críticas.

Redes sociais só em áreas urbanas

O politólogo e ativista queniano Mwalimu Mati refere os efeitos positivos destas novas redes sociais: "Os políticos usam estes meios para a sua campanha eleitoral. Esforçam-se por dar-se a conhecer melhor a si e aos seus programas. Mas isso só é possível se os programas tiverem um conteúdo real."

E outras vantagens do uso destes meios são apontados por Mwalimu Mati: " Além disso as redes sociais tornam a campanha mais justa, porque mesmo os candidatos que não são muito ricos têm um novo meio de comunicar com o eleitor".

Mati admite, no entanto, que esta influência se restringe às zonas urbanas, que têm electricidade e acesso à internet.

O número de usuários no Quénia cresceu desde as últimas eleições há cinco anos. Segundo dados do Ministério da Informação, 14 milhões de quenianos estão hoje online, o que equivale a 30% da população.

Contributo das redes sociais para a democracia

Há cinco anos eram pouco mais do que cinco por cento. Este crescimento beneficia o trabalho das organizações da sociedade civil. Elas usam o meio para esclarecer os eleitores e reunir informação.

Muitos observadores dizem que isto reforça a democracia.

O ativista Boniface Mwangi recorre ao Facebook para convocar manifestações. Mas o meio não serve para muito mais, diz o ativista: "As redes sociais têm pouca importância. É um bom lugar para fazer belos discursos, mas será que se trata de um instrumento eficaz? Duvido muito."

Para ele os métodos tradicionais ainda são válidos: "Talvez dentro de alguns anos, mas hoje o poder está offline, não na rede. Todos estes comentários que se queixam disto ou daquilo. Melhor é pintar um cartaz e aderir a uma manifestação na rua".

Como as redes sociais podem reacender o ódio

A abertura das redes sociais também convida a abusos. Sobretudo na política queniana marcada pela divisão étnica.

Por vezes lêem-se discursos de ódio, que já nas últimas eleições serviram para atiçara violência.

Este género de discurso foi proibido após a violência há cinco anos. Recentemente o Governo anunciou maior vigilância das redes sociais.

Os autores de comentários ofensivos ou ameaçadores deverão ser severamente punidos.

Mas o potencial das redes sociais poderá ser maior durante e depois das eleições, uma vez que permitem a disseminação imediata de informações sobre casos de suborno ou explosões de violência.

Recorde-se que em 2007 morreram mais de 1100 pessoas nas violências pós eleitorais no Quénia. Os apoiantes dos candidatos as presidenciais, Raila Odinga e Mway Kibaki, entraram em confrontos.

Autora: Maja Braun / Cristina Krippahl
Edição: Nádia Issufo / Helena Ferro de Gouveia