Rebeldes do M23 assumem controle de Goma, no leste da RDC | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 20.11.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Rebeldes do M23 assumem controle de Goma, no leste da RDC

Segundo as Nações Unidas e a República Democrática do Congo, os rebeldes seriam apoiados pelo Ruanda. RDC "condena agressão do Ruanda". Clima em Goma é de medo. Rebeldes querem identificação de militares e polícias.

População foge durante confrontos entre M23 e forças governamentais congolesas

População foge durante confrontos entre M23 e forças governamentais congolesas

Na tarde desta terça-feira, 20.11, os rebeldes do M23 assumiram o controle de Goma, capital regional da rica região mineira do Kivu Norte, no leste da República Democrática do Congo (RDC).

A cidade já tinha sido conquistada em 1998 por rebeldes pró-ruandeses. Segundo as Nações Unidas (ONU), e também o governo congolês em Kinshasa, o M23 é apoiado pelo Ruanda.

Depois de intensos e violentos combates contra o exército congolês, os rebeldes do Movimento 23 de Março (M23) entraram e ocuparam a cidade de Goma, atualmente alvo de inúmeras pilhagens tanto por parte dos habitantes como dos soldados governamentais em fuga.

E, se existe um sentimento que domina a cidade, é precisamente o medo, como disse aos nossos colegas da redação suaíli o deputado provincial congolês Mayombo Omar bin Fikira: "Estamos em Goma, uma cidade que se encontra controlada pelo M23. Acabamos de ouvir um comunicado oficial da rebelião que pede à população para se dirigir a partir de amanhã aos seus postos de trabalho normalmente", descreveu o deputado.

Família foge de confrontos entre rebeldes do M23 e forças congolesas nas proximidades de Goma, na semana passada

Família foge de confrontos entre rebeldes do M23 e forças congolesas nas proximidades de Goma, na semana passada

Um outro deputado provincial, Jaribu Moulouwa, disse aos microfones da DW África "as pessoas estão com medo, principalmente medo de que a violência aumente nas próximas horas. Por outro lado, muitos temem que os rebeldes maltratem todos aqueles que trabalharam para o governo ou no parlamento, e que essas pessoas sejam mortas", afirmou.

Rebeldes deverão administrar Goma

Os rebeldes deverão, a partir de agora, gerir a administração e manter a segurança numa cidade entregue a pilhagens. No apelo lançado ao fim da tarde através da rádio Goma, o porta-voz dos rebeldes pediu nomeadamente aos militares e polícias congoleses, ainda na cidade, para se apresentarem na quarta-feira (21.11) no estádio de futebol de Goma, para se registarem e serem identificados.

Rebelde do M23 a cerca de 6 km de Goma. Movimento assumiu controle da capital do Kivu Norte nesta terça-feira (20.11)

Rebelde do M23 a cerca de 6 km de Goma. Movimento assumiu controle da capital do Kivu Norte nesta terça-feira (20.11)

O ministro Lambert Mendé, porta-voz do governo da RDC, disse que "o governo condena esta agressão do Ruanda contra o nosso país. O presidente da República [Joseph Kabila] já lançou um apelo à mobilização da nação congolesa para que esta agressão fracasse. Não temos dúvidas. Em Goma, são os tanques e militares ruandeses que assumiram a agressão. Estamos decididos a combatê-los e expulsá-los das fronteiras do nosso país", disse.

Ainda no plano político, Vital Kamehre, líder dos rebeldes, exigiu a demissão de Kabila, que acusa de alta traição. Por sua vez, o presidente da RDC já lançou um apelo à mobilização geral dos congoleses visando defender o seu país e momentos depois partiu para a capital do Uganda, Campala, para uma cimeira dos dirigentes da região.

Autor: António Rocha
Edição: Renate Krieger

Ouvir o áudio 02:48

Rebeldes do M23 assumem controle de Goma, no leste da RDC

Leia mais