RDC: Félix Tshisekedi inicia visita aos Estados Unidos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 03.04.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

RDC: Félix Tshisekedi inicia visita aos Estados Unidos

Presidente da República Democrática do Congo inicia nesta quarta-feira (03.04) uma visita oficial de três dias aos Estados Unidos. Félix Tshisekedi vai buscar mais apoios no combate ao Ébola e à violência.

A viagem do Presidente congolês foi anunciada na terça-feira passada pelo porta-voz do Departamento de Estado, Robert Palladino, que referiu que Tshisekedi, de 55 anos, iria encontrar-se com Mike Pompeo e com outros responsáveis da administração do Presidente dos EUA, Donald Trump.

Porém, ainda não é sabido se o Presidente Félix Tshisekedi irá reunir-se com o seu homólogo norte-americano.

Durante a sua primeira visita oficial fora do continente africano, o Presidente congolês deve discutir os esforços para conter o surto de Ébola no país, assim como os confrontos na região leste da RDC.

O mais recente balanço do Ministério da Saúde congolês aponta para mais de mil casos de Ébola e 679 mortes devido a esta febre hemorrágica.

Quanto à violência no país, Tshisekedi tem pedido junto das Nações Unidas, União Africana, e União Europeia que as missões de paz tenham militares "em menor número, mas mais bem armados".

Präsident des Kongos: Felix Tshisekedi

Félix Tshisekedi e o seu homólogo namibiano Hage Geingob (dir.) (Fevereiro/2019)

Medidas norte-americanas

A presença do Presidente congolês nos EUA acontece poucas semanas depois de o Departamento de Controlo de Ativos Estrangeiros (OFAC) norte-americano ter sancionado três responsáveis da Comissão Eleitoral Nacional Independente (CENI) por terem "obstruído e atrasado" os preparativos das eleições presidenciais de dezembro, que elegeram Tshisekedi.

A medida, anunciada no dia 20 de março, visa o presidente da CENI, Corneille Nangaa, o vice-presidente da CENI, Norbert Katintima, e Marcellin Basengezi, conselheiro da instituição e filho de Norbert Katintima.

Em fevereiro, além de Nangaa e Basengezi, também o juiz Benoit Bindu e o presidente da Assembleia Nacional da RDC, Aubin Ndjalandjoko, foram proibidos de entrar nos EUA.

Os Estados Unidos são a mais recente paragem no histórico de visitas oficiais de Tshisekedi que, desde a sua tomada de posse, em janeiro, visitou já seis países africanos - Angola, Quénia, República do Congo, Namíbia, Uganda e Ruanda.

Com as suas visitas oficiais, Félix Tshisekedi, filho do histórico líder da oposição Étienne Thisekedi, pretende obter um maior apoio da comunidade internacional e afastar-se da liderança do seu antecessor, Joseph Kabila.

Leia mais