RDC detém militares por alegado envolvimento em massacres no Kasai | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 10.08.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

RDC detém militares por alegado envolvimento em massacres no Kasai

Sete oficiais do Exército e um polícia foram detidos pela justiça militar congolesa, acusados de envolvimento nos massacres cometidos na região do Kasai, em 2016. À época, milhares de deslocados refugiaram-se em Angola.

De acordo com a agência noticiosa France-Presse, uma comissão rogatória do Ministério Público Militar do Kasai-Central instruiu o Ministério Público a interrogar 16 oficiais atualmente destacados nas províncias de Kivu Norte (a que pertence Beni) e Ituri pela sua participação em massacres cometidos no Kasai-Central.

Após o interrogatório, "sete destes agentes foram detidos desde 22 de julho", tendo o responsável do Ministério Público Militar de Kivu Norte apontado um coronel da polícia que também foi detido em 7 de agosto.

"São suspeitos de participar nos massacres da população no Kasai-Central entre 2016 e 2017. Mas, nesta fase, existe uma presunção de inocência. A justiça militar deteve-os para não dificultar a investigação", afirmou uma fonte do departamento da justiça militar do Kasai-Central, citada pela France-Presse.

Assistir ao vídeo 01:28

Refugiados da RDC procuram abrigo em Angola

Violência e deslocados

A região do Kasai-Central, no sudoeste da RDC, foi palco, entre 2016 e 2017, de um conflito violento que começou após a morte, em 12 de agosto de 2016, do líder tribal Kamuina Nsapu. 

Os responsáveis detidos são acusados de ter fornecido uniformes da polícia ao exército, dirigir operações contra civis e esconder corpos em valas comuns.

Em junho de 2018, um relatório de especialistas da Organização das Nações Unidas (ONU) referia que os confrontos entre milicianos Kamuina Nsapu e as forças de segurança, apoiadas, segundo o documento, pelas milícias Bana Mura, é de mais de três mil mortes e 1,4 milhões de deslocados - muitos dos quais buscaram abrigo em Angola.

Atrocidades

Os investigadores da ONU, que então foram autorizados a visitar a RDC, afirmaram, num relatório, que "algumas das atrocidades cometidas pelas forças de defesa e segurança, milícias Bana Mura e milícias Kamuina Nsapu constituem crimes contra a humanidade ou crimes de guerra, bem como violações dos direitos humanos".

Assistir ao vídeo 01:25

Expulsão de congoleses de Angola vitima crianças

Segundo o relatório, os ataques por parte das forças de defesa e segurança, das milícias Kamuina Nsapu e Bana Mura, "foram realizados contra a população civil de forma generalizada e sistemática, como política de Estado ou de organização que tinha como fim tais ataques".

Esses factos constituem crimes contra a humanidade, de acordo com especialistas, que citaram assassínios, violações, escravidão - inclusive sexual -, perseguição e outros atos desumanos.

A sueca Zaida Catalan e o norte-americano Michael Sharp, dois peritos da ONU que investigavam a existência de valas comuns no Kasai-Central, foram mortos na região.

Leia mais