RDC defende cooperação com Moçambique para enfrentar terrorismo | Moçambique | DW | 13.02.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Moçambique

RDC defende cooperação com Moçambique para enfrentar terrorismo

Filipe Nyusi recebeu, esta sexta-feira (12.02), em Maputo, a ministra dos Negócios Estrangeiros da República Democrática do Congo, que lhe pediu para mediar a disputa pelo lugar de secretário executivo da SADC.

O Presidente moçambicano, Filipe Nyusi, recebeu, esta sexta-feira (12.02), em Maputo, a ministra dos Negócios Estrangeiros da República Democrática do Congo (RDC), Marie Nzeza, que defendeu a cooperação entre os dois países para enfrentarem uma ameaça comum, o terrorismo.  

"O presidente de Moçambique começa a enfrentar o mesmo problema" que a RDC, pelo que os dois países devem "trabalhar juntos para combater este mal", referiu Nzeza, numa alusão à insurgência armada em Cabo Delgado. 

A chefe da diplomacia congolesa falava aos jornalistas após o encontro com o chefe de Estado moçambicano, na qualidade de enviada especial do Presidente da RDC, Félix Tshisekedi. 

Manuel Gonçalves, vice-ministro dos Negócios Estrangeiros e Cooperação moçambicano, referiu que "o terrorismo constitui um desafio para os dois países" e na reunião "vincou-se a necessidade" de troca de informações "sobre as melhores formas de combater este mal". 

Eleição da SADC

Durante o encontro, Marie Nzeza pediu ainda a Filipe Nyusi para mediar a disputa pelo lugar de secretário executivo da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC), ao qual se candidatam a RDC e o Botsuana. 

Filipe Nyusi, Präsident von Mosambik

Filipe Nyusi

A ministra congolesa solicitou ao líder moçambicano, presidente em exercício na SADC, para intervir no sentido de que "as candidaturas se entendam e não reste mais que uma" a concorrer ao lugar, mas para que tal aconteça "em termos de solidariedade e colaboração, não de confrontação". 

Filipe Nyusi pediu aos presidentes dos dois países para que continuem a articular "uma busca por consenso para facilitar a eleição do novo secretário executivo da SADC", referiu Manuel Gonçalves. 

Na ocasião, o Presidente moçambicano também pediu o apoio da RDC à candidatura do país lusófono a membro não-permanente do Conselho de Segurança das Nações Unidas para o mandato 2023/2024, cujas eleições vão decorrer em 2022. 

O Conselho de Segurança da ONU é composto por 15 membros, cinco permanentes e 10 não-permanentes eleitos por mandatos de dois anos e em que cinco são substituídos a cada ano. 

Na eleição há um número fixo de assentos para os diferentes grupos regionais em que a Assembleia Geral da ONU se divide, sendo que a candidatura de Moçambique conta com o apoio da Comunidade de Desenvolvimento da África Austral (SADC).

Leia mais