RDC: Combates violentos eclodem no leste entre forças governamentais e M23 | NOTÍCIAS | DW | 12.06.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

RDC: Combates violentos eclodem no leste entre forças governamentais e M23

Combates violentos eclodiram no leste da República Democrática do Congo (RDC), após um novo ataque de rebeldes do M23 (Movimento 23 de Março), segundo as forças armadas governamentais.

Kongo I Flucht vor M23-Rebellen

Foto de arquivo.

O ataque teve como alvo a cidade de Bunagana, antigo reduto rebelde tomado pelo exército em 2013, na província de Kivu do Norte, na fronteira com o Uganda.

O porta-voz do governador militar da província, general Sylvain Ekenge, citado pela agência AFP, disse que os combates são intensos.

Segundo Damien Sebusanane, responsável de uma associação local da sociedade civil, a maior parte da população fugiu do centro da cidade, importante ponto de passagem de mercadorias entre a RDC e o Uganda.

Kongo Kämpfe

Foto de arquivo.

Ataques do M23

Segundo o administrador militar local, coronel Muhindi Lwanzo, efetivos das Forças Armadas da República Democrática do Congo (FARDC) foram atacadas pelo M23 em Bunagana e na cidade vizinha de Tshengerero, 

Damien Sebusanane disse que tanques do exército efetuaram disparos de morteiros contra os atacantes.

Os rebeldes são maioritariamente da etnia tutsi, que foi derrotada em 2013 por Kinshasa, mas o M23 voltou a pegar em armas no final de 2021, acusando as autoridades da RDC de não terem respeitado os acordos de paz assinados no Quénia entre as duas partes beligerantes após a derrota militar da rebelião.

Ontem, as Nações Unidas exortaram os grupos armados que operam na RDC a "cessar imediatamente todas as formas de violência", numa altura em que aumentaram os ataques contra civis por parte destas milícias.

O Governo de Kinshasa acusa o Ruanda de apoiar o M23, o que Kigali nega reiteradamente.