Rússia reafirma advertências sobre adesão de Finlândia e Suécia à NATO | NOTÍCIAS | DW | 15.04.2022

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Rússia reafirma advertências sobre adesão de Finlândia e Suécia à NATO

A Rússia reafirmou esta sexta-feira (15.04) a advertência de que uma eventual adesão da Finlândia e da Suécia à NATO terá consequências para os dois países e para a segurança europeia.

A Finlândia e a Suécia estão a considerar aderir à Aliança Atlântica como reação à guerra na Ucrânia, que a Rússia iniciou com a invasão do país vizinho, em 24 de fevereiro.

Os dois países "devem compreender as consequências de tal passo para as nossas relações bilaterais e para a arquitetura de segurança europeia como um todo", disse a porta-voz do Ministério dos Negócios Estrangeiros russo, Maria Zakharova.

"Ser um membro da NATO não pode reforçar a sua segurança nacional. De facto, será a linha da frente da NATO", disse Zakharova, citada pela agência de notícias France-Presse, referindo-se à proximidade da Finlândia e da Suécia com a Rússia.

A Finlândia partilha uma fronteira de 1.340 quilómetros de extensão com a Rússia, país que tem uma fronteira marítima com a Suécia.

Ucrânia: Armas e sanções, até quando?

Decisão sobre adesão

A primeira-ministra finlandesa, Sanna Marin, disse na quarta-feira, no final de um encontro com a sua homóloga sueca, Magdalena Andersson, que a decisão sobre uma possível adesão à NATO será tomada antes da Cimeira da Aliança em Madrid, no final de junho.

Já na quinta-feira (14.04), o ex-Presidente e atual ‘número dois' do Conselho de Segurança russo, Dmitry Medvedev, advertiu que se a Finlândia ou a Suécia aderirem à NATO, a Rússia reforçará os seus meios militares, incluindo nucleares, no Mar Báltico e perto da Escandinávia.

A Rússia já tem fronteiras com cinco membros da NATO: Estónia, Letónia, Lituânia, Noruega e Polónia.

As autoridades de Moscovo veem a NATO como uma ameaça existencial e justificaram a invasão da Ucrânia com o objetivo de travar o avanço da NATO a Leste, dado que Kiev pretendia aderir à aliança militar ocidental.

Segundo a NATO, os membros da Aliança totalizam atualmente 1.215 quilómetros dos mais de 20.000 quilómetros da fronteira terrestre que a Rússia tem com 14 países.

Além da Finlândia, da Ucrânia e dos cinco membros da NATO, a Rússia tem fronteiras terrestres com Azerbaijão, Bielorrússia, Cazaquistão, China, Coreia do Norte, Geórgia e Mongólia.

As fronteiras marítimas russas são partilhadas com Japão, Turquia e Estados Unidos, além da Suécia.

Ucrânia: ONU alerta para os efeitos nefastos da guerra em países em desenvolvimento

Leia mais