Rússia: Polícia detém mais de mil pessoas em protestos pró-Navalny | NOTÍCIAS | DW | 23.01.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Rússia: Polícia detém mais de mil pessoas em protestos pró-Navalny

Polícia russa deteve pelo menos mil manifestantes neste sábado (23.01), que exigiam a libertação do líder da oposição preso, Alexey Navalny. Foram noticiados cortes nos serviços de telemóveis e internet no país.

Russland Wladiwostok | Proteste gegen Regierung | wegen Verhaftung von Nawalny

Centenas de manifestantes terão sido detidos em várias cidades russas.

A polícia russa deteve pelo menos mil pessoas em protestos nacionais de apoio ao crítico do Kremlin preso, Alexey Navalny, de acordo com a organização não-governamental OVD-info. Cerca de 90 protestos foram planeados a nível nacional durante todo o dia, incluindo na capital, Moscovo.

Os manifestantes reuniram-se apesar dos avisos da polícia de que os protestos eram ilegais e que seriam "imediatamente reprimidos".

Alexey Navalny foi preso em 17 de janeiro ao voltar à Rússia, depois de cinco meses de convalescença na Alemanha devido a um envenenamento, acusado de violar as medidas de controlo judicial (por estar em condicional, relacionada a outro processo na justiça russa) ao sair do país. 

Navalny diz que as acusações são de motivação política.

Manifestações

Para impulsionar os protestos, a equipa do ativista anticorrupção fez apelos, de Moscovo a Novosibirsk, para que as pessoas saíssem às ruas em mais de 60 cidades russas para protestar contra a prisão do líder opositor.

As primeiras manifestações começaram esta manhã, no Extremo Oriente russo e na Sibéria, onde vários milhares de pessoas tomaram as ruas, principalmente em Vladivostok, Khabarovsk e Tchita, mesmo diante de um grande número de polícias antimotim deslocados para os locais dos protestos, de acordo com apoiantes de Navalny.

Russland Omsk | Proteste gegen Regierung | wegen Verhaftung von Nawalny

Apelos foram feitos para que os russos saíssem às ruas, em mais de 60 cidades.

Um vídeo divulgado pela organização não-governamental OVD-info mostrou dezenas de polícias antimotim a perseguir manifestantes em Vladivostok.

Em Yakutsk, ao sul do Círculo Polar, os manifestantes enfrentaram o frio extremo para se manifestarem, com -50 graus Celsius.

Em Moscovo, onde a mobilização da oposição costuma ser mais forte, os manifestantes começaram a reunir-se na Praça Pushkin.

O autarca de Moscovo, Sergei Sobyanin, denunciou as manifestações como "inaceitáveis" em meio à pandemia do novo coronavírus.

Entre quinta e sexta-feira vários apoiantes de Navalny foram detidos pelas autoridades russas, nomeadamente a porta-voz do ativista, Kira Iarmych, que foi condenada a nove dias de prisão.

Assistir ao vídeo 02:10

Navalny denuncia o "palácio de Putin"