Rússia alarga cooperação militar com países africanos | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 05.06.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Rússia alarga cooperação militar com países africanos

Moscovo assinou recentemente acordos na área da segurança com Moçambique, República Centro-Africana e República Democrática do Congo. Rússia também tem outros interesses no continente africano.

Presidente da República Centro-Africana, Faustin-Archange Touadera, recebido em maio pelo homólogo russo, Vladimir Putin

Presidente da República Centro-Africana, Faustin-Archange Touadera, recebido em maio pelo homólogo russo, Vladimir Putin

A República Democrática do Congo (RDC), que durante muito tempo foi vista como aliada do Ocidente, está à procura de novos parceiros. Em 1999, foi acordado que a Rússia forneceria armas e equipamentos ao exército congolês, que também deveria treinar, de acordo com a emissora internacional francesa RFI. Mas, pelos vistos, o acordo nunca foi implementado. Agora, segundo a emissora, a RDC quer aconselhar o Parlamento a avançar com a implementação do acordo.

Em andamento está já a cooperação com a República Centro-Africana, para onde a Rússia deverá enviar armas, munições e instrutores militares. O Conselho de Segurança da ONU aprovou o acordo em dezembro.

Os dois países foram escolhidos deliberadamente, diz o especialista francês Roland Marchal. "As relações entre esses países e o ocidente são tensas. E talvez a Rússia tenha oportunidade de se estabelecer no terreno, ganhar influência e desenvolver algumas relações económicas", explica.

E a cooperação militar poderá ser apenas o começo. Especialistas acreditam que a Rússia quer fortalecer a sua própria indústria de armamento. De acordo com um estudo realizado pelo instituto de pesquisa britânico Chatham House, apesar de apenas 3% das exportações de armas russas serem para África, o continente é um mercado em crescimento. 

Cooperação Maputo-Moscovo

Na semana passada, o ministro dos Negócios Estrangeiros de Moçambique, José Pacheco, encontrou-se com o seu homólogo russo, Sergei Lavrov. E anunciou que planeia assinar, no final do ano, um acordo com a petrolífera russa Rosneft para exploração de gás natural no norte de Moçambique.

Ouvir o áudio 04:10

Rússia alarga cooperação militar com países africanos

"O projeto para desenvolvimento de campos [de exploração] de gás no Norte de Moçambique está agora sob discussão. O plano passa por assinar um acordo este ano e lançar o projeto de desenvolvimento de campos em Moçambique com a participação da Rosneft e da ExxonMobil", referiu o governante moçambicano durante uma visita oficial à Rússia, citado pela agência de informação russa TASS.

Maputo também está a discutir com Moscovo sobre o tipo de armas que irá receber, no âmbito de um acordo entre os dois países. A Rússia e Moçambique assinaram a 22 de dezembro de 2015 um acordo de cooperação na área da defesa para cinco anos - o documento abrange, em particular, o fornecimento e manutenção de armas.

Das armas aos recursos naturais?

A Rússia é o fornecedor mais importante de alguns países, lembra o especialista Paul Stronski, do centro de pesquisa norte-americano Carnegie Endowment for International Peace. "Para alguns países em África, é muito difícil obter armas ocidentais. Mas a Rússia não tem os mesmos critérios de alguns países ocidentais - não relaciona a venda de armas com a situação dos direitos humanos ou com os vários conflitos regionais nos quais os Estados estão envolvidos. E vê nisso uma oportunidade de alargar o mercado", lembra.

Mas os interesses russos deverão ir além das armas. A República Democrática do Congo tem muitos recursos naturais, como cobalto, ouro e diamantes. E a vizinha República Centro-Africana também exporta diamantes.

Äthiopien Addis Abeba Sergei Lawrow und Moussa Faki

Sergei Lavrov, chefe da diplomacia russa, e Moussa Faki, presidente da comissão da União Africana

À luz dos acordos existentes, a Rússia está a explorar a possibilidade de usar os recursos naturais para benefício comum, disse em março o vice-diretor de Informação da Rússia, Artyom Kozhin. Para Moscovo, que tem algum conhecimento na área da mineração e na produção de petróleo, trata-se também de uma oportunidade de expandir o seu próprio setor.

"Seguro de vida" para regimes autoritários

Os acordos foram muito bem acolhidos localmente. A República Centro-Africana, um dos países mais pobres do mundo, está em crise desde 2013. Os conflitos entre milícias cristãs e muçulmanas continuam e o Governo do Presidente Faustin Archange Touadera tem pouca influência.

O Presidente congolês, Joseph Kabila, também pode estar interessado numa parceria com a Rússia. Kabila insiste em permanecer no poder e o Governo adia repetidamente a realização de eleições.

"Para os regimes que estão sob pressão, o relacionamento com a Rússia poderá ser uma espécie de seguro de vida. Ao darem as boas-vindas aos russos, a República Democrática do Congo e a República Centro-Africana aumentam o preço e podem negociar com os países ocidentais, para que sejam mais generosos se quiserem que a presença ou influência da Rússia diminua."

A estratégia vem dos tempos da Guerra Fria, embora muitos países africanos tenham já mudado de lado várias vezes, dependendo do apoio recebido.

Ninguém arrisca dizer se a presença da Rússia em África será a longo prazo. Mas de uma coisa os observadores estão certos: Moscovo quer aumentar a sua influência em África. Sinal claro disso foi a visita ao continente do chefe da diplomacia russa. Em março, Sergei Lavrov visitou seis países africanos: Angola, Etiópia, Moçambique, Namíbia e Zimbabué - todos antigos aliados da era soviética. E em breve deverá também visitar Cabo Verde, anunciou na semana passada o Governo da Praia.

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados