Quénia ou Djibuti: Quem entra no Conselho de Segurança da ONU? | NOTÍCIAS | DW | 18.06.2020
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Quénia ou Djibuti: Quem entra no Conselho de Segurança da ONU?

Quénia e Djibuti voltam a disputar nesta quinta-feira (18.06) o único lugar para os países africanos na eleição dos membros não permanentes do Conselho de Segurança da ONU. Interesses geopolíticos na origem da disputa?

USA | Leerer Saal des UN-Sicherheitsrat (picture-alliance / imageBROKER)

Sala do Conselho de Segurança da ONU

Durante a primeira ronda de votação decorrida nesta quarta-feira (17.06), nenhum dos dois conseguiu o mínimo de dois terços dos votos, ou seja, no mínimo 128 votos em casos de participação dos 193 membros das Nações Unidas.

Em fevereiro, a União Africana (UA) indicou o Quénia para ser representante de África no Conselho de Segurança em votação secreta. Através de uma nota de protesto Djibuti exigia que a União Africana reconsiderasse a sua posição de indicar o Quénia, alegando ser inadmissível e contra as regras do organismo.

Os membros da União Africana justificaram que queriam evitar que a África tivesse três países francófonos no Conselho de Segurança em 2021, com a adesão do Níger e da Tunísia. Mesmo assim, Djibuti recusou-se a retirar a sua candidatura.

 Interesses geopolíticos na origem da disputa?

Afrikanischen Union Fahne (picture alliance/dpa/S. Stache)

Bandeira da UA

Roba Sharamo, diretor do Instituto de Estudos de Segurança em Adis Abeba, Etiópia, suspeita que interesses geopolíticos possam estar a alimentar essa disputa.

"Há muitas histórias, talvez Djibuti esteja a ser empurrado por potências externas. Havia suspeitas de que talvez alguns países de língua francesa estivessem por detrás disso, mas agora torna-se cada vez mais claro que a China está a empurrar o Djibuti", entende Sharamo.

Com esta disputa entre o bloco francófono e anglófono, é a imagem do continente africano que fica mal na fotografia, considera o analista político, o queniano Martin Oloo.

 "A União Africana quis incentivar apenas um país a candidatar-se. O facto de termos agora dois países explica a grande divisão entre o Ocidente e o Oriente. E, neste caso específico, o Ocidente é suscetível de apoiar o Quénia e o Oriente é suscetível de apoiar o Djibuti", acredita Oloo.

China apoia os dois?

Entretanto, os dois países afirmam que as suas candidaturas estão a ser apoiadas pela China. Mas que papel Quénia ou Djibuti poderiam desempenhar no Conselho de Segurança?

Roba Sharamo responde: "Penso que o continente africano é um ator importante no mundo e é, ao mesmo tempo, o continente que acolhe muitas missões de manutenção da paz, e isso exige alguma voz a esse nível. Penso que é tempo de ter um país africano como membro permanente do CS da ONU, à medida que o mundo se torna cada vez mais interdependente"

As eleições de quarta-feira (17.06) na ONU contemplaram também a presidência da Assembleia Geral, que a partir de setembro pertencerá ao turco Volkan Bozkir.

Também foram escolhidos quatro membros não permanentes para o Conselho de Segurança, faltando um lugar para os estados africanos. Assim, A Índia, Irlanda, México e Noruega passam a fazer parte do Conselho de Segurança da ONU no início do próximo ano, com um mandato de dois anos.

Leia mais