Quénia lança satélite de fabricação própria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 12.05.2018
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Quénia lança satélite de fabricação própria

Primeiro satélite de fabricação própria do país é obra de cientistas da Universidade de Nairobi, apoiados por especialistas japoneses. Foi lançado de Tsukuba, no Japão, esta sexta-feira (11.05).

Die Universität in Nairobi (CC BY-SA 3.0 Wing)

Universidade de Nairobi

O Quênia lançou no espaço o seu primeiro satélite de fabricação própria, esta sexta-feira (11.05), desde o Centro Tsukuba, que pertence à Agência Espacial do Japão em Tóquio.

O nanossatélite, um cubo denominado 1KUNS-PF pesa 1,2 kg e mede dez centrímetros de comprimeiro e dez de altura, é capaz de fornecer observação terrestre limitada e transmissão de áudio.

O aparelho é obra de cientistas da Universidade de Nairobi, apoiados por especialistas da Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA), entre outros.

A equipe esperava "fazer história" ao se aventurar na ciência espacial, disse o vice-chanceler da universidade, Peter Mbithi.

Afrika Viktoriasee Tansa Satellitenbild (Imago/UIG)

Satélite queniano tem capacidade de captar imagens, como esta do Lago Vitória

Utilidade do satélite

Espera-se que o 1KUNS-PF esteja em órbita em 18 meses a cerca de quatro mil quilômetros da Terra. O satélite será usado em setores como previsão meteorológica, vigilância da vida selvagem, elaboração de mapas de segurança alimentar e gestão de desastres naturais.

O nanossatélite "leva duas poderosas câmeras e microfones, que ajudarão a captar imagens e gravar sons antes de postá-los na internet", explicou o professor da Escola de Engenharia da Universidade de Nairobi, Mwangi Mbuthia.

A ministra queniana de Educação, Amina Mohamed, descreveu o lançamento do satélite, que custou cerca de 834 mil euros, como um dos mais "notáveis desenvolvimentos científicos do nosso tempo".

NA África subsaariana, apenas Gana, Nigéria e África do Sul contam com satélites em operação no espaço.

A 26 de dezembro de 2017, Angola lançou seu primeiro satélite no espaço construído por um consórcio estatal russo, o Angosat-1 foi lançado do cosmódromo de Baikonur, no Cazaquistão. No entanto, há controvérsias sobre se o Angosat-1 ainda existe ou se  encontra-se ou não em órbita.

Japan Start GPS-Satellit Michibiki 2 (Reuters/Kyodo)

Lançamento de satélites maiores está nos planos do Quénia

Futuro promissor

Se o vôo for bem sucedido, os cientistas da Universidade de Nairobi planejam desenvolver satélites maiores e de alta resolução "com sérios valores científicos e tecnológicos para o país", de acordo com uma declaração divulgada.

O Quênia agora espera lançar seu próprio programa espacial - ao custo de 500 mil a um milhão de dólares por ano -, segundo a universidade.

Os satélites comerciais têm um potencial económico considerável para o Quênia, incluindo mapeamento e uso do solo, previsão do tempo, mapeamento da segurança alimentar, gestão de desastres, monitoramento de fronteiras e da costa, manejo e monitoramento da vida selvagem.

Os cientistas quenianos já estão a colaborar com o Escritório das Nações Unidas para Assuntos do Espaço Exterior, a Agência Japonesa de Exploração Aeroespacial (JAXA) e a Universidade de Roma, na Itália, para impulsionar a inovação no Quênia.

Leia mais