Quão ″limpo″ é o futebol russo? | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 02.06.2018

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Quão "limpo" é o futebol russo?

Semanas antes do Mundial da Rússia, algumas questões ainda permanecem sobre a equipa do país anfitrião. Houve doping no futebol russo? Algumas indicações sugerem que sim, mas nada está comprovado ainda.

O jornalista investigativo alemão e "caçador de doping", Hajo Seppelt, poderá finalmente viajar para a Rússia. Seu visto para o país do Mundial 2018 foi aprovado – após uma intervenção do Governo alemão – depois de Seppelt ter sido declarado persona non grata em território russo, o que impediria a sua viagem para o torneio. No entanto, este pode não ser o fim da história.

É bem provável que Seppelt seja questionado por um comité de investigação russo logo à chegada se ele realmente for para o Mundial. O comité disse que quer informações relativas à sua investigação sobre Grigory Rodchenkov, o ex-chefe da agência antidoping de Moscovo, que foi um dos principais denunciantes em um documentário transmitido pela emissora pública alemã ARD em janeiro.

As reportagens de Seppelt e seus colegas em outros países levaram atletas da Rússia a serem banidos das Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro, e a Rússia competiu sob uma bandeira neutra nas Olimpíadas de Inverno em Pyeongchang este ano. O Comité Olímpico Internacional (COI) emitiu proibições permanentes a 19 atletas russos no ano passado. A investigação de Seppelt revelou evidências de que o país trocou sistematicamente testes positivos de doping por amostras limpas nas Olimpíadas de Inverno de 2014, em território nacional, em Sochi.

Russland Sitz des Olympischen Kommittees in Moskau

Comité Olímpico em Moscovo

E a equipa de futebol?

De acordo com as conclusões da FIFA publicadas há 10 dias, os jogadores da equipa provisória do Mundial da Rússia não são conhecidos por terem falhado em qualquer teste de doping.

No entanto, Richard McLaren, autor do relatório de 2016 que apoiou as descobertas de Seppelt e seus colegas, disse que parece provável que a Rússia tenha empregado um sistema similar no futebol. Em Sochi, segundo o relatório da McLaren, os testes de doping falhados foram trocados por amostras limpas, com a Rússia aparentemente tendo um banco de urina limpo. A Agência Mundial Antidoping (WADA) informou à FIFA no final do ano passado que das 157 amostras de doping de futebolistas russos que analisou, 34 poderiam ter sido manipuladas.

Deutschland Leipzig Hajo Seppelt erhält Medienpreis

Hajo Seppelt, jornalista e "caça doping"

Um artigo publicado no semanário britânico The Mail on Sunday informou que todos da equipa russa do Mundial de 2014 estavam em uma lista de mil atletas cujos testes de doping foram adulterados por ordem do Ministério do Esporte da Rússia. O vice-primeiro-ministro Vitaly Mutko, que não é mais ministro dos Esportes da Rússia, criticou o relatório na época.

A FIFA informou que não encontrou evidências anteriores de testes de doping fracassados contra a equipa atual russa e que encerraria a sua investigação. Entretanto, outros jogadores russos continuam sob investigação.

Críticas

Seppelt disse à ARD que não ficou impressionado com as conclusões da FIFA: "Perguntamos à FIFA nas últimas semanas se testaram as amostras suspeitas de todas as substâncias proibidas e de todos os métodos proibidos", disse Seppelt. "Mas ainda não recebemos uma resposta. Somente assim seus testes terão algum significado real".

Prof. Dr. Werner Franke

Werner Franke, pesquisador

Outro pesquisador alemão de doping, Werner Franke, também se mostrou cético. "Isso é corrupção institucional, mas é claro que isso permeia toda a história da FIFA", disse Franke à DW. "No futebol isso tudo foi feito antes, mas nada foi investigado. Por exemplo, no caso da Juventus [na década de 1990], quando as investigações foram prolongadas até que os processos prescrevessem. Pouco antes de um Mundial, as alegações de doping seriam uma distração indesejável".

Em uma visita à Rússia em dezembro, o presidente da FIFA, Gianni Infantino, disse que não tinha interesse na discussão sobre doping sem antes ter a prova de qualquer irregularidade.

"A FIFA não participa de qualquer especulação sobre qualquer situação", disse Infantino. "Até agora, todos os testes que fizemos - seja no Mundial de 2014, na Copa das Confederações, nos campeonatos europeus, em competições de clubes - foram negativos. E esses testes não foram realizados na Rússia. Todos os testes foram realizados fora da Rússia, por não-russos".

Infantino concluiu que a posição da FIFA era clara e inalterada: "Se alguém cometer uma infração de regra ou for pego no exame antidoping, haverá sanções".

Leia mais