1. Ir para o conteúdo
  2. Ir para o menu principal
  3. Ver mais sites da DW
Niederlande Anti Coronamaßnahmen  Demonstration
Na Holanda, protestos violentos entre manifestantes e polícias marcaram as duas últimas noites.Foto: Media TV Rotterdam via AP/picture alliance

Protestos eclodem na Europa contra medidas anti-Covid-19

Reuters | AFP | AP | DPA | tm
21 de novembro de 2021

Milhares de pessoas saíram às ruas na Europa este fim-de-semana contra novas medidas restritivas de combate à Covid-19. Grupos de extrema-direita tomaram parte em algumas manifestações. Protestos registaram violência.

https://p.dw.com/p/43JTm

Milhares de pessoas saíram às ruas de toda a Europa neste sábado (20.11) e domingo (21.11) em protestos contra as novas restrições impostas por governos para combater novas ondas de infeções por Covid-19. 

Áustria, Holanda, Bélgica, Irlanda do Norte, Croácia, Dinamarca registaram protestos e, fora da Europa, protestos também foram registados na Austrália e Guadalupe. Na Alemanha, incidentes violentos aconteceram próximos à fronteira com a Holanda.

Os protestos vêm após governos introduzirem novas medidas, em alguns casos mais rigorosas, para combater ondas ressurgentes de infeções pelo coronavírus.

Na sexta-feira (18.11), a Áustria anunciou um lockdown nacional - são as restrições mais duras vistas na Europa Ocidental em meses.

Outros países do continente têm recorrido a restrições menos severas, optando frequentemente por proibir pessoas não vacinadas de visitarem locais públicos, como restaurantes e bares.

Rotterdam | Protest gegen die Corona-Maßnahmen im Zentrum
Foto: imago images/ANP

Protestos violentos

Na Holanda, protestos acabaram em violência na últimas duas noites, com amotinados a atirar pedras e fogo de artifício contra a polícia, além de atearem fogo às bicicletas.

A polícia relatou que cinco agentes tinham sido feridos em confrontos e estavam a receber tratamento no hospital. Pelo menos 40 pessoas foram detidas em três províncias.

Um dia antes, pelo menos duas pessoas ficaram feridas após a polícia ter disparado tiros contra os manifestantes e 51 foram presas numa manifestação de restrições anti-coronavírus na cidade de Roterdão.

No sábado, milhares de manifestantes saíram às ruas em Amesterdão, embora outro grupo tivesse cancelado protestos devido à violência da noite anterior.

Österreich Anti Coronamaßnahmen  Demonstration
Manifestante próximo a um símbolo nazi na Áustria.Foto: Florian Schroetter/AP Photo/picture alliance

Símbolos nazis

Em Viena, cerca de 35 mil manifestantes - muitos desses de grupos de extrema-direita, a levantar faixas - marcharam através da capital austríaca, no sábado (20.11).

Entre os manifestantes encontravam-se membros de partidos e grupos de extrema-direita.

Segundo a polícia, cerca de 1.300 agentes estavam de serviço e vários manifestantes foram detidos, mas não deram números específicos.

A partir de segunda-feira (22.11), cerca de oito milhões de austríacos não poderão sair de casa, excepto para ir trabalhar, ir às compras de bens essenciais, ou fazer exercício. As restrições durarão inicialmente 20 dias, com uma avaliação após dez dias.

O Governo está a tornar obrigatória a vacinação contra a Covid-19 no país a partir de 1 de fevereiro do próximo ano.

Belgien Brüssel | Protest gegen Coronamaßnahmen
Manifestantes nas ruas de Bruxelas este domingo (21.11).Foto: Olivier Matthys/AP/picture alliance

Bélgica

Este domingo (21.11), foi a vez da Bélgica, com pelo menos 10 mil de pessoas nas ruas de Bruxelas em protesto contra as restrições de combate ao coronavírus, incluindo a exigência de mostrar um certificado de vacina quando se deslocam a locais públicos, tais como restaurantes.

Como nos países vizinho, número de infeções disparou na Bélgica, com mais de 260 pessoas internadas diariamente na última semana com problemas relacionados à Covid-19.

Embora a marcha tivesse sido autorizada, acabou por se tornar violenta, com a polícia a responder com canhões de água e gás lacrimogéneo. 

A Bélgica estendeu o uso obrigatório de máscaras a partir dos 10 anos e decidiu que o teletrabalho é obrigatório, na tentativa de controlar uma nova vaga de casos de Covid-19 no país. 

Alemanha

Na Alemanha, dois centros de ensaio no estado ocidental da Renânia do Norte-Vestefália foram incendiados no domingo (21.11) de manhã, disse a polícia. Os incidentes aconteceram nas cidades de Ahaus e Gronau, perto da fronteira holandesa.

Um pavilhão e um contentor foram danificados. A polícia estimou que o custo total dos danos ascendeu a cerca de 20 mil euros. Ambos os centros já foram alvo de tentativas de fogo posto.

Tais centros realizam testes de PCR coronavírus pagos pelo Governo. Os indivíduos não vacinados - ou aqueles que não recuperaram recentemente de uma infecção - requerem um teste negativo de um centro de testes para entrar em muitos espaços públicos, tais como bares e restaurantes.

Alemanha luta contra quarta onda da pandemia de Covid-19

Saltar a secção Conteúdo relacionado