Privatização hospitalar implica mais custos para os angolanos | NOTÍCIAS | DW | 16.12.2016
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Privatização hospitalar implica mais custos para os angolanos

As autoridades locais querem privatizar o laboratório de análises clínicas do Hospital Geral de Benguela. A medida está a ser fortemente contestada, já que os preços das consultas poderão aumentar significativamente.

O corpo clínico deste hospital público de referência na região centro e sul do país defende que caso a privatização venha a acontecer, os preços das consultas poderão aumentar significativamente, o que poderá estimular o número de mortes que ocorrem nos hospitais públicos. Muitos cidadãos não têm meios para pagar os custos dos tratamentos.

Por exemplo, a consulta de uma análise de malária, que atualmente custa dois dólares, passará a custar quase 10 dólares, num país em que a maior parte da população vive com menos de dois dólares por dia.

Angola Krankenhaus Benguela

Hospital Geral de Benguela é considerado uma referência no país

Numa recente reunião alargada, onde participou o diretor provincial da Saúde, Bernabé Lemos, a direcção do Hospital Geral de Benguela (HGB), rejeitou o contrato vindo do governo provincial.

Os profissionais da saúde dizem que está em causa a salvaguarda do sistema público de saúde protegido constitucionalmente. Fonte do hospital, que pediu para não ser identificada, afirmou que caso venha a ser efectivado o contrato em causa muita gente poderá morrer por falta de condições de arcar com os custos dos tratamentos.

Vantagens para quem?

Contactado pela DW, o diretor provincial da Saúde em Benguela, Bernabé Lemos, recusou-se a falar sobre o assunto. Mas numa curta entrevista concedida à Rádio Ecclésia falou de um contrato que poderá trazer vantagens para o hospital e a população em geral. "Estão (a direcção do Hospital) a analisar o documento e para assinar o hospital tem de ter vantagens. Não é bem privatizar, a ideia é terciarizar serviços", explicou.

Ouvir o áudio 02:27
Ao vivo agora
02:27 min

Privatização hospitalar implica mais custos para os angolanos

Um grupo de mais de 50 profissionais de saúde, incluindo responsáveis do Hospital Geral de Benguela, prepara-se para enviar um abaixo-assinado ao governador de Benguela, Isaac Maria dos Anjos, contestando qualquer medida que vise privatizar o laboratório de análises.

A Convergência Ampla de Salvação de Angola - Coligação Eleitoral (CASA-CE) já reagiu ao caso. "Estamos solidários com os médicos para, mais uma vez, inviabilizar a incursão do governador", disse o secretário provincial da segunda força política da oposição, Francisco Viena, que não poupa críticas a Isaac dos Anjos.

"A saúde é um direito que merece a protecção do Estado. Se o governador está preocupado com lucros penso que está contra a saúde dos cidadãos", declarou. "Como o governador, a sua família, não é submetida aos serviços públicos da província, recorrem aos serviços públicos lá fora, então, para eles, o objetivo é certamente buscar lucros", concluiu o secretário da CASA-CE.

 

 

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados