Prisão é incendiada em protestos na Nigéria | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 23.10.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Prisão é incendiada em protestos na Nigéria

Presidente da Nigéria apela aos manifestantes para que cessem protestos contra a polícia. Muhammadu Buhari adverte que "sob nenhuma circunstância serão tolerados" atos que ameacem a segurança nacional, a lei e a ordem.

Uma das principais prisões da Nigéria foi incendiada esta quinta-feira (22.10) como parte de protestos crescentes contra a violência policial no país. Vídeos publicados nas redes sociais mostram nuvens de fumo a subir do Centro Correcional de Ikoyi em Lagos.

O morador do bairro de Ikoyi, Tunde Oguntola, disse à agência de notícias dpa que ouviu vários tiros quando soldados e polícias entraram na cadeia e meios de comunicação locais noticiaram que prisioneiros foram mortos. O porta-voz da polícia, no entanto, não confirmou quaisquer mortes.

O incêndio da prisão é mais um episódio violento na sequência dos protestos contra a violência e a corrupção policial na Nigéria. A população da maior cidade do país, Lagos, vive um ambiente de repressão e incerteza.

Nigeria Präsident Mohammadu Buhari

Presidente Mohammadu Buhari fez pronunciamento à nação

Tolerância zero

Num pronunciamento a nação, o Presidente Muhammadu Buhari apelou aos manifestantes para que parassem os protestos: "A tua voz foi ouvida em alto e bom som", disse ele num discurso à nação na noite de quinta-feira. Buhari avisou os manifestantes para não se deixarem instrumentalizar por "elementos subversivos".

O Presidente disse que "sob nenhuma circunstância serão tolerados" atos que ameacem a segurança nacional, a lei e a ordem. Buhari não mencionou, no entanto, a violência das forças de segurança contra os manifestantes.

Testemunhas e organizações de direitos humanos dizem que pelo menos 12 pessoas foram mortas em Lagos na terça-feira (20.10), mesmo que o governo nigeriano assuma que ninguém foi morto a tiro e o exército chame as reportagens de "notícias falsas". A Amnistia Internacional disse que cerca de 56 pessoas foram mortas em todo o país desde que os protestos começaram, há cerca de duas semanas.

O presidente da Comissão da União Africana (UA), Moussa Faki Mahamat, apelou ao governo e aos manifestantes para que iniciem um diálogo a fim de frear a escalada da violência e definir "reformas concretas e duradouras".

Os protestos foram motivados pela ação de um destacamento de polícia com ações abusivas denominado Brigada Especial Anti-Roubo (SARS). O governo decidiu a 11 de outubro dissolver a SARS, mas os manifestantes continuam a apelar a reformas mais amplas.

Assistir ao vídeo 02:00

Nigéria desmantela unidade policial, mas protestos continuam

Leia mais