Primeiro-ministro guineense desdramatiza críticas a nomeações | Guiné-Bissau | DW | 16.07.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Guiné-Bissau

Primeiro-ministro guineense desdramatiza críticas a nomeações

Primeiro-ministro guineense desdramatiza as críticas à nomeação de 13 conselheiros e sete assessores para o seu gabinete. Aristides Gomes diz que o Governo precisa de pessoas capazes, porque o Estado está "de joelhos".

O primeiro-ministro da Guiné-Bissau, Aristides Gomes, assegurou esta segunda-feira (15.07.) que as nomeações não representam grandes encargos para os cofres do Estado.

"Quero garantir que na maior parte [das nomeações] são pessoas que têm já o seu salário ou a sua pensão de reforma", declarou Aristides Gomes à chegada ao país, vindo da Costa do Marfim, onde esteve a participar numa cimeira da União Económica de Estados da África Ocidental (UEMOA).

Organizações da sociedade civil, nomeadamente o Movimento dos Cidadãos Inconformados, exigem ao primeiro-ministro a revogação das nomeações, ameaçando sair à rua em manifestações de repúdio por aquilo que consideram ser nepotismo e sobrecarga aos cofres do Estado.

O primeiro-ministro afirmou que a maioria das pessoas nomeadas são funcionários públicos, que quase todas foram apenas oficializadas nos cargos que já exerciam e que a sua indigitação "não trará incidência particular sobre o orçamento" do Estado.

Assistir ao vídeo 01:27

"Famílias guineenses sobrevivem graças aos emigrantes"

Mais nomeações

Aristides Gomes garantiu que haverá mais nomeações de pessoas que irão apoiar a governação e que está em curso um plano para reorientar os fundos à disposição do Gabinete Integrado das Nações Unidas para a Consolidação da Paz na Guiné-Bissau (UNIOGBIS) para o pagamento aos assessores do Governo.

Gomes disse ter feito aquela sugestão ao Conselho de Segurança da ONU, que aceitou o pedido.

O primeiro-ministro guineense considerou ainda que a Guiné-Bissau "mais do que nunca" tem toda necessidade de colocar pessoas capazes na administração estatal, tendo em conta a situação em que se encontra o país.

Estado está "de joelhos"

"É preciso compenetrarmo-nos de uma realidade, de uma vez por todas, na Guiné-Bissau, nós estamos numa situação em que temos que reconstruir o Estado peça por peça", declarou Aristides Gomes.

"Comparativamente aos outros países da sub-região, o nosso Estado está realmente de joelhos", sublinhou Aristides Gomes.

O responsável disse ainda ser com agrado que constata a preocupação da sociedade guineense com a forma como o erário público é gerido, mas salientou que já mostrou responsabilidade nesse campo, ao dirigir a administração estatal até aqui [no mandato no anterior Governo] sem ajuda externa.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados