Primeiro-ministro do Japão renuncia por motivos de saúde | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Primeiro-ministro do Japão renuncia por motivos de saúde

Shinzo Abe renunciou esta sexta-feira alegando motivos de saúde. O político perdeu popularidade devido à ação considerada lenta e confusa contra a Covid-19. Foi o primeiro-ministro japonês que mais tempo esteve no cargo.

O primeiro-ministro do Japão anunciou esta sexta-feira (28.08) a renúncia ao cargo devido a problemas de saúde relacionados com uma doença intestinal chamada colite ulcerosa.

Shinzo Abe ocupava o cargo há sete anos e oito meses, um recorde de longevidade como chefe de Governo no Japão. Curiosamente, o primeiro-ministro que mais tempo tinha ficado no cargo antes dele foi seu tio-avô, Eisaku Sato - entre 1964 a 1972.

Abe sobreviveu a inúmeros escândalos durante sua gestão, mas ficou marcado no estrangeiro sobretudo devido à sua política económica apelidada de "Abenomics", lançada no final de 2012. Mas a ausência de reformas ambiciosas o conduziu a sucessos parciais na economia japonesa – a terceira maior do mundo. A performance questionada foi agravada pela crise económica generalizada provocada pela pandemia de Covid-19.

Lenta e confusa

A ação do primeiro-ministro contra a pandemia foi ainda considerada lenta e confusa, o que fez com que a sua popularidade diminuísse drasticamente. Abe apegou-se à esperança de manter as Olimpíadas de Tóquio no verão de 2020, que seria um dos pontos altos de sua gestão. A realização do evento, porém, foi adiada para 2021 por medida de prevenção ao novo coronavírus.

Tendo construído parte de sua reputação com base na firmeza em relação à Coreia do Norte, a sua retórica política concentrava-se frequentemente em fazer do Japão uma nação "normal” e "bonita”, com um exército mais forte e um papel maior em assuntos internacionais.

Após a demissão de Abe, líderes do Reino Unido, Rússia, Coreia do Sul e Taiwan já reconheceram publicamente o trabalho do agora ex-primeiro-ministro no reforço das relações bilaterais com os seus países. A chanceler alemã, Angela Merkel, lamentou a demissão, aplaudindo o empenho de Shinzo Abe no "combate pelo multilaterialismo".

Artigo atualizado às 17:34 (CET) de 28 de agosto de 2020, acrescentando a declaração da chanceler Angela Merkel.

Assistir ao vídeo 01:37

Hiroshima: 75 anos do bombardeamento pelos Estados Unidos

Leia mais