Primeira exposição permanente dedicada aos movimentos de libertação em Lisboa | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 05.08.2015
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Primeira exposição permanente dedicada aos movimentos de libertação em Lisboa

De prisão passou a museu da memória. A antiga cadeia do Aljube foi convertida num Museu da Resistência e Liberdade, lugar onde está patente a história da repressão política durante o Estado Novo.

Ao andar pelos corredores da antiga cadeia do Aljube, Marcos Manuel Rolo Antunes recorda um período difícil da sua vida - o tempo em que foi preso político.

Marcos Antunes ainda se lembra dos locais das salas de interrogatório e de tortura. O opositor ao regime ditatorial de António Salazar foi preso sete vezes, no Aljube, mas também em Caxias e no Porto. Na quarta vez, esteve detido durante sete anos.

De 1926 a 1965, ano do seu encerramento, passaram pela cadeia do Aljube cerca de 30 mil presos políticos, em articulação com o então edifício da polícia política portuguesa, a PIDE, na Rua António Maria Cardoso, em Lisboa.

Portugal Museu do Aljube / Resistência e Liberdade in Lissabon

Museu da Resistência e Liberdade

Agora, a antiga cadeia foi convertida no Museu da Resistência e Liberdade, inaugurado a 25 de Abril. O edifício, agora renovado, fica na Rua de Augusto Rosa, perto da Sé de Lisboa.

Passados cem dias da inaguração, o museu já teve cerca de cinco mil visitantes.

As imagens e peças em exibição mostram o que era um preso político, bem como as formas de resistência e de luta então existentes.

Muítos líderes passaram por Portugal

O terceiro piso, onde está o último núcleo da exposição permanente, é dedicado aos movimentos de libertação e à luta anti-colonial.

À luta anti-colonial, em Portugal, o museu não dá grande relevância, mas está patente, por exemplo, o papel desempenhado pelos movimentos estudantis de meados dos anos 60 contra a guerra de África.

"Procuramos olhar para a luta anti-colonial do ponto de vista dos movimentos de descolonização e libertação", diz Luís Farinha, diretor do museu. "Claro que muitos dos elementos que vão ser líderes ativos desses movimentos estavam em Portugal."

Farinha dá o exemplo da Casa dos Estudantes do Império, "que começou por ser um sítio onde o regime pretendia juntar estudantes africanos e, de algum modo, levá-los a acreditar na política colonial. Mas, na verdade, foi aqui que se criou uma consciência anti-colonial. Grande parte dos líderes africanos, como Mário de Andrade e outros, estiveram aqui." Alguns destes estudantes, das mais variadas áreas, viriam a ser líderes dos movimentos de libertação que lutaram pela independência dos respetivos países em África, nomeadamente em Angola, Moçambique, Guiné-Bissau, Cabo Verde e São Tomé e Príncipe.

Ouvir o áudio 04:14
Ao vivo agora
04:14 min

Cadeia do Aljube convertida em Museu da Resistência e Liberdade

Memória

Numa outra sala do museu, são lembrados alguns portugueses, vítimas do sistema repressivo da ditadura. Muitos foram mortos no Campo de Concentração do Tarrafal, em Cabo Verde, durante o encarceramento ou o interrogatório.

A exposição encerra na sala dedicada à Democracia, onde se evoca a Revolução dos Cravos do 25 de abril de 1974, que pôs fim a 48 anos de ditadura salazarista. O diretor, Luís Farinha, sublinha que "a guerra colonial foi o grande motivo da mudança para a liberdade e democracia em Portugal. Foi a guerra colonial que fez cair o regime."

A filha do opositor à ditadura Marcos Antunes realça que é importante que "não se branqueie a História e que haja memória".

"A História de um país também se faz da memória e das pessoas", diz Ana Maria, que acompanhou o pai durante a visita ao Museu da Resistência e Liberdade.

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados