Presidente João Lourenço continua onda de exonerações em Angola | NOTÍCIAS | DW | 27.07.2019

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Presidente João Lourenço continua onda de exonerações em Angola

O Presidente angolano, João Lourenço, exonerou os embaixadores do país em Moçambique, Cabo Verde, Marrocos, República Democrática do Congo e Singapura.

Segundo uma nota da Casa Civil do Presidente da República, divulgada na sexta-feira (26.07), foram exonerados Brito António Sozinho, Benigno Vieira Lopes, Josefa da Cruz, Fidelino Figueiredo e José João Manuel dos cargos de embaixadores em Moçambique, Marrocos, Cabo Verde, Singapura e República Democrática do Congo, respetivamente.

O chefe de Estado angolano nomeou José João Manuel embaixador em Moçambique e Baltazar Diogo Cristóvão para embaixador em Marrocos. Júlia de Assunção Cipriano Machado é a nova embaixadora de Angola em Cabo Verde, enquanto Miguel da Costa assume o cargo na República Democrática do Congo, ficando ainda por nomear o novo embaixador em Singapura.

Eugénio Laborinho tem o combate à droga como prioridade

O novo ministro do Interior de Angola, Eugénio Laborinho, apontou, entre as várias prioridades do mandato que agora inicia, o "combate à droga pesada e contra os barões da droga".

Eugénio Laborinho falava à imprensa, no final da cerimónia de tomada de posse realizada pelo Presidente angolano, João Lourenço, na sexta-feira.

"A primeira tarefa é o combate à criminalidade, em matéria de trazer segurança à população. Segundo, ainda no âmbito da criminalidade, é o combate à droga pesada e contra os barões da droga", referiu o governante angolano nomeado esta semana.

Na cerimónia de passagem de pasta, Eugénio Laborinho, que substituiu no cargo Ângelo Veiga Tavares, disse que vai analisar e procurar soluções profícuas e breves para os problemas como criminalidade em geral e, em particular, a violenta, o combate ao consumo e tráfico de drogas, a sinistralidade rodoviária, de modos a "cada vez mais garantir ou mesmo devolver aos cidadãos o sentimento de estabilidade, segurança e tranquilidade".

Aposta na gestão dos recursos humanos

O titular da pasta do Interior referiu que a nível interno vai prestar particular atenção à gestão dos seus recursos humanos, relativamente ao provimento de cargos, progressão nas carreiras, promoções e graduações, que devem ser feitos "de forma justa", revertendo assim "algumas incorreções que ainda se registam".

"A Polícia Nacional, deve continuar a garantir a manutenção da ordem e da segurança pública através da melhoria e da ampliação da rede policial em todo o território nacional, aperfeiçoar e alargar o policiamento de proximidade, estreitando-se a relação de confiança com os cidadãos, devolvendo assim, o sentimento de segurança pública", referiu Eugénio Laborinho, que foi até antes da sua nomeação governador da província de Cabinda.

Leia mais