Presidente do Gabão regressa após tentativa de golpe de Estado | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 15.01.2019
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Presidente do Gabão regressa após tentativa de golpe de Estado

Presidente do Gabão, Ali Bongo, está de volta ao país, depois de estar mais de dois meses em tratamento médico no estrangeiro. Regresso acontece uma semana depois de tentativa de golpe de Estado por grupo de militares.

O chefe de Estado gabonês esteve mais de dois meses ausente, em tratamento em Marrocos. Segundo vários meios de comunicação, Ali Bongo sofreu um acidente vascular cerebral, embora a Presidência tenha justificado o internamento com "fadiga severa".

O ministro da Cultura, Alain-Claude Bilie-By-Nzé, confirmou à DW que o Presidente gabonês "está de facto em Libreville" e vai conduzir a cerimónia de tomada de posse do novo Governo, marcada para esta terça-feira (15.01).

Gabun mutmaßlicher Putschversuch des Militärs

Soldados em frente a televisão estatal após tentativa de golpe de Estado

O chefe de Estado regressou de Marrocos na noite de segunda para terça-feira.

O novo Governo, liderado por Julien Bekale, foi nomeado dias depois de uma tentativa de golpe de Estado, a 7 de janeiro, liderada por um pequeno um grupo de militares. Dois golpistas foram mortos pelas forças de seguran­ça e outros oito foram detidos e terão agora de responder perante a Justiça.

O regresso de Ali Bongo era necessário, porque, de acordo com a Constituição gabonesa, a tomada de posse de um novo Governo deve ser conduzida pelo Presidente.

"Estava fora de questão que o Governo inteiro voasse até Marrocos e tomasse lá posse", afirmou o ministro Alain-Claude Bilie-By-Nzé em entrevista à DW. A tomada de posse deverá ter lugar sem a presença de meios de comunicação social.

A seguir, o Presidente gabonês deverá regressar a Marrocos: "Ele ainda não terminou a sua reabilitação", avança Bilie-By-Nzé. Mas o ministro garante que, apesar da ausência de Ali Bongo, a sua autoridade não é questionada.

Leia mais