Presidente do CTA foi incompetente ao propor congelamento salarial, diz Castel-Branco | Moçambique | DW | 21.11.2017

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Economia

Presidente do CTA foi incompetente ao propor congelamento salarial, diz Castel-Branco

Propostas de austeridade do CTA são más para a economia e para população, segundo o economista. Já o sociólogo Elísio Macamo acha que as propostas da Confederação das Associações Económicas não são de todo estúpidas.

Carlos Nuno Castel-Branco, economista moçambicano

Carlos Nuno Castel-Branco, economista moçambicano

Na última sexta-feira (17.11), o presidente da CTA, Agostinho Vuma, propôs ao Governo moçambicano que este ano não se pague o 13º salário e que se congele o aumento salarial em 2018 . Estas são as medidas de austeridade propostas por Vuma para enfrentar a crise económica que Moçambique vive.

Convidado a avaliar estas alternativas, o economista Nuno Castel-Branco lembrou que Vuma apresentou um argumento marxista, sem o saber, ao colocar a taxa de lucro do capital associado aos níveis de exploração da força de trabalho. Por isso, o economista moçambicano considerou o presidente da CTA infeliz na sua proposta."Basicamente, o que Vuma está a argumentar é que a taxa de lucro de capital é muito mais importante que as condições de vida”, disse Castel-Branco.

Incompetência parcial

Agostinho Vuma Maputo Mosambik

Agostinho Vuma, presidente da CTA

O economista disse ainda que considera Vuma incompetente no argumento que está a fazer: "Não estou a dizer que ele seja incompetente no geral, mas cortar mais as expetativas de consumo e as oportunidades de consumo torna o mercado doméstico ainda menos capaz de ser um fator importante na dinamização da economia. Isso obriga que todo o crescimento da economia seja cada vez mais dependente de uma perspetiva externa”.

De acordo com o economista moçambicano, "esse tipo de medida agora reduz as oportunidades para o capital expandir de uma maneira endógena e de poder ficar, assim, menos dependente do grande capital internacional. "E num contexto em que Moçambique está desacreditado na economia mundial, fazer isso reduz as oportunidades para a captação de capital. Nesse sentido, acho que ele é incompetente.”

A proposta de Agostinho Vuma surge depois de o Governo ter atribuído viaturas de luxo a altas figuras políticas, em nome da dignidade do cargo dessas figuras. Tudo isso num contexto de crise económica profunda que Moçambique atravessa; o que revolta a população, que é a mais prejudicada.

Não há dois pesos e duas medidas?

Ouvir o áudio 91:34

Moçambique: presidente do CTA foi incompetente ao propor congelamento salarial, diz Castel-Branco

O sociólogo Elísio Macamo tem uma forma diferente de olhar para a balança. Ele não considerou a proposta feita pelo presidente da CTA completamente estúpida. Segundo Macamo, "a tal proposta até reflete uma certa sensiblidade para a situação em que o país se encontra" e categórico sublinha: "Deixa-me ser brutal aqui: ainda está para surgir um mundo onde as decisões difíceis vão ser tomadas por uma minoria poderosa. Toda a história da humanidade é uma história de tomada de decisões, de transferir os custos de qualquer medida importante de um país para a maioria. Sempre foi assim. E não estou a dizer que concordo com isso, mas é normal que seja assim."

Tensão social

Mesmo sendo uma tendência comum no curso da história, medidas dessa natureza em contexto de crise têm um preço social. E é o economista Castel-Branco quem recua na história recente do país com o objetivo de alertar para as consequências da implementação de propostas do gênero. Para Castel-Branco, "isso é economicamente insustentável porque as condições de vida da população são bastante más e tendem a agravar-se."

Elisio Macamo Analyst an der Universität Basel

Elísio Macamo, sociólogo moçambicano

O economista advertiu ainda que ações desse tipo, por exemplo, o congelamento de salários, vão afetar um setor importante da sociedade. E isso vai criar tensão social: "Tenho a impressão de que ele já se esqueceu das manifestações de 2008 e de 2010. Talvez precisa de ser lembrado. Ou, talvez, ele está a criar condiçóes para ser lembrado do que uma medida dessas significa e quais as implicações económicas que ela traz. Se é essa a perspetiva dele, criar uma crise para as pessoas se lembrarem da criese de resposta violenta e caótica, então, talvez aí ele esteja a fazer uma coisa positiva."

Discussão patética e quase imbecil

O sociólogo Elísio Macamo prefere usar o caso das viaturas de luxo para alertar que o debate pede mais profundidade:"Tendo em conta a maneira como eu próprio vivo, não estou de acordo com uma medida dessas. Só que considero a discussão sobre o assunto patética e quase imbecil, porque está a sugerir coisas que não são essenciais."

E ele exemplifica: "Se o Governo não comprasse as viaturas, ele também não canalizaria o dinheiro para coisas úteis. Então, a nossa preocupação devia ser em saber por que estamos a viver num sistema político em que esse tipo de decisões não acontecem. Se resolvermos isso, não vamos ter esse problema das viaturas de luxo."

De lembrar que a CTA ofereceu ao ex-Presidente de Moçambique, Armando Guebuza, uma viatura de luxo em 2014, alegando que era uma "lembrança" para o Presidente. Entrento, Guebuza devolveu o Mercedes-Benz depois de ter percebido que tinha atropelado a Lei da Probidade Pública ao aceitar o presente.

Leia mais