Presidente da Somália cede à pressão e desiste de prorrogar mandato | Internacional – Alemanha, Europa, África | DW | 28.04.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Internacional

Presidente da Somália cede à pressão e desiste de prorrogar mandato

O chefe de Estado da Somália, Mohamed Abdullahi Mohamed, cedeu esta manhã às pressões da oposição e da comunidade internacional e anunciou que não vai prorrogar o seu mandato, que expirou em 8 de fevereiro.

"Convido todos os signatários do acordo de 17 de setembro (2020) a reunirem-se imediatamente para discussões urgentes sobre a implementação incondicional do acordo", disse o Presidente Mohamed Abdullahi Mohamed, numa mensagem dirigida à nação.

Este acordo, assinado pelo Presidente e líderes regionais, estabeleceu um roteiro para a realização de eleições que deveriam ter ocorrido em fevereiro, mas foram prejudicadas por desentendimentos políticos.

A 12 de abril, a Câmara do Povo (câmara baixa do Parlamento) votou a favor da prorrogação, por dois anos, do mandato de Farmajo, que tinha expirado a 8 de fevereiro, e no dia seguinte o próprio Presidente assinou a lei, apesar da forte rejeição da oposição e da comunidade internacional.

No seu discurso, o chefe de Estado, mais conhecido como Farmajo, anunciou que no próximo sábado (01.05) vai dirigir-se ao Parlamento para pedir o seu apoio ao processo eleitoral. "Como temos afirmado repetidamente, estivemos sempre prontos a implementar eleições oportunas e pacíficas no país", disse.

A comunidade internacional tem apelado repetidamente à realização de eleições na Somália, ameaçando com sanções.

Somalia Gewalt zwischen Regierung und Opposition

Mogadíscio foi palco de violentos confrontos no domingo

Apelos à estabilidade

O Presidente também pediu às forças e órgãos de segurança do Estado que mantenham a estabilidade da capital da Somália, Mogadíscio, e a segurança da população civil. "Também peço ao nosso povo somali que apoie e coopere com as nossas forças", acrescentou.

Pelo menos 13 pessoas foram mortas e 22 ficaram feridas, a maioria militares, na sequência dos violentos confrontos, no domingo (25.04), em Mogadíscio, entre duas fações do exército somali, uma a favor e outra contra a extensão do mandato do Presidente.

Os combates aterrorizaram os cidadãos, já cansados de décadas de conflito civil e de uma insurreição islamista. A Somália vive num estado de guerra e caos desde 1991, quando o ditador Mohamed Siad Barre foi derrubado, deixando o país sem um governo eficaz e nas mãos de milícias e senhores da guerra islâmicos, como o grupo jihadista Al-Shabab, que controla as zonas rurais no centro e sul do país.

Assistir ao vídeo 01:27

Deixar o extremismo para trás no Quénia