Presidenciais EUA: Democratas escolhem Biden contra Trump | NOTÍCIAS | DW | 19.08.2020

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

NOTÍCIAS

Presidenciais EUA: Democratas escolhem Biden contra Trump

Democratas confirmam nomeação de Joe Biden, ex-vice-presidente de Barack Obama, como candidato contra Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos. Congresso democrata não poupou críticas a Trump. 

Joe Biden é sem surpresa o candidato dos Democratas contra Donald Trump nas eleições presidenciais dos Estados Unidos de 3 de novembro.

A nomeação do antigo vice-presidente de Barack Obama confirmou-se na terça-feira (18.08) durante o segundo dia da convenção do partido, realizada de forma inteiramente virtual por causa da pandemia da Covid-19. 

Biden conseguiu o apoio de 3.558 delegados, em comparação com 1.151 para o senador mais à esquerda Bernie Sanders.

"Obrigado do fundo do meu coração", disse Joe Biden, numa mensagem de vídeo.

O antigo Presidente Bill Clinton e o antigo secretário de Estado John Kerry, candidato à presidência em 2004, foram as estrelas da noite, marcada igualmente pela presença do antigo Presidente Jimmy Carter, com 95 anos.

Clinton critica Trump

USA I Milwaukee I Parteitag der Demokraten

Bill Clinton

Numa breve, mas contundente intervenção, Bill Clinton lembrou aos eleitores o que vai acontecer se Trump continuar na Casa Branca por mais quatro anos: "Culpar, amedrontar, denegrir”

"Numa altura como esta, a Sala Oval devia ser um centro de comando. Em vez disso, é um centro de tempestade. Só há caos", acusou Clinton, acrescentando que Trump é incapaz de assumir "a responsabilidade" inerente ao cargo.

Para o antigo Presidente norte-americano (1993-2001), a "única opção" para o país é o candidato democrata Joe Biden: um Presidente que trabalha (…) com os pés assentes no chão", disse, salientando que a missão de Biden é "unir, não dividir”, "concentrar-se, não distrair”. 

Clinton apontou ainda o fracasso de Trump nas políticas económicas. "Donald Trump diz que estamos a liderar o mundo. Bem, somos a única grande economia industrial a ter triplicado a taxa de desemprego", ironizou.

Trump é piada internacional

Num dos discursos mais duros contra Donald Trump na Convenção Democrata, o ex-secretário de Estado norte-americano John Kerry afirmou o seguinte: "Quando este Presidente vai ao estrangeiro, não está numa missão de boa vontade, está numa série de trapalhadas. Rompe com os nossos aliados e escreve cartas de amor a ditadores. Os Estados Unidos merecem um Presidente que seja admirado, não de que se riam".

USA I Präsident Donald Trump in Oshkosh

Donald Trump

Ele próprio nomeado candidato à presidência em 2004, John Kerry acusou Trump de não fazer frente à Rússia. E referiu ainda o episódio em que Trump se recolheu no abrigo subterrâneo da residência oficial, no final de maio, quando manifestantes atiraram pedras e tentaram forçar barreiras policiais, durante as manifestações contra o racismo e a violência policial originadas pela morte do afro-americano George Floyd às mãos da polícia. 

"As nossas tropas não podem escapar ao perigo escondendo-se no 'bunker' da Casa Branca. Precisam de um Presidente para os defender, e o Presidente Biden fá-lo-á", acrescentou.

Biden tem hipóteses de ganhar?

A 77 dias das eleições, Joe Biden não tem, no entanto, a história do seu lado. Nas últimas quatro décadas, só um Presidente em funções foi derrotado: George H. W. Bush, em 1992, por Bill Clinton. 

Joe Biden deverá fazer o discurso de aceitação da candidatura democrata na quinta-feira (20.08), no último dia da convenção virtual democrata.

Ao seu lado estará a senadora da Califórnia Kamala Harris. A afro-americana é a terceira mulher a ser designada como candidata a vice-Presidente nos Estados Unidos, depois da democrata Geraldine Ferraro em 1984 e da republicana Sarah Palin em 2008, que não foram eleitas.

Assistir ao vídeo 01:17

Spike Lee fala sobre racismo nos EUA, George Floyd e seu novo filme

Leia mais