PR português recusa associar visita a Luanda às presidenciais em Angola | Angola | DW | 27.11.2021

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

PR português recusa associar visita a Luanda às presidenciais em Angola

Na capital angolana para participar da Bienal de Luanda, Marcelo Rebelo de Sousa disse que não pretende imiscuir-se nos assuntos internos e eleitorais de Angola. Chefe de Estado vai ter encontro com João Lourenço.

João Lourenço, Presidente de Angola, e Marcelo Rebelo de Sousa, Presidente de Portugal

Imagem de visita de João Lourenço a Portugal em 2018

O Presidente português afastou este sábado (27.11) qualquer hipótese de interferir na vida política angolana, garantindo que a sua deslocação a Luanda este fim de semana em nada está relacionada com as presidenciais do próximo ano.

"Venho [a Luanda] convidado pelo Presidente da República de Angola e venho para uma reunião que é multilateral", disse Marcelo Rebelo de Sousa, em declarações aos jornalistas, minutos antes de seguir para a Bienal de Luanda 2021 - Fórum Pan-Africano para a Cultura de Paz.

O chefe de Estado tinha sido questionado sobre se haveria encontros partidários, uma vez que a visita que realiza até este domingo antecede os congressos da União Nacional para a Independência Total de Angola (UNITA), de 2 a 4 de dezembro, e do Movimento Popular de Libertação de Angola (MPLA), entre 9 e 11 de dezembro.

Encontro com João Lourenço

No programa do Presidente português está um encontro com o homólogo angolano, João Lourenço. Marcelo Rebelo de Sousa admitiu que "é possível que haja, no meio da reunião, oportunidade de trocar algumas impressões" sobre o sufrágio do próximo ano em Angola.

No entanto, "não é, propriamente, um encontro específico" e Marcelo Rebelo de Sousa recusou a "introdução de qualquer fator de discriminação em qualquer período eleitoral".

"Não devo imiscuir-me na vida interna dos vários países", sublinhou. "Não tenho agendado isso, porque pensei que isso seria uma forma de intervir num período que é um período longo, mas é, obviamente, pré-eleitoral."

Assistir ao vídeo 05:41

Angola: Como a Lei Eleitoral tem facilitado a consagração da fraude?

Leia mais