PR angolano exonera administrações de mais nove empresas públicas | Angola | DW | 20.12.2017
  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

Angola

PR angolano exonera administrações de mais nove empresas públicas

Presidente angolano, João Lourenço, exonerou as administrações de nove empresas públicas, dos aeroportos e portos, de distribuição de eletricidade e água, e dos caminhos-de-ferro, nomeando 64 administradores.

De acordo com a informação disponibilizada pela Casa Civil da Presidência angolana, foram exoneradas as administrações dos caminhos-de-ferro de Luanda (CFL), Benguela (CFB) e Moçâmedes (CFM), que passam a ser lideradas, respetivamente, por Júlio Bango Joaquim, Luís Teixeira e Daniel João Quipaxe (reconduzido), em conselhos de administração com cinco elementos cada.

Da Empresa Pública de Água de Luanda (EPAL) foi exonerada a administração liderada por Lionídio Gustavo Ferreira de Ceita, passando o conselho de administração, de sete elementos, a ser presidido por Diógenes Flores Diogo.

Na Empresa Nacional de Distribuição de Eletricidade (ENDE) foi afastada a administração de Francisco Dias Talino, que passa a ser liderada por Ruth do Nascimento Safeca.

Angola Eisenbahnlinie bei Benguela (picture-alliance/dpa/K. Ludbrook)

Caminhos de ferro de Benguela (CFB)

O Presidente angolano exonerou ainda o conselho de administração da Empresa Nacional de Exploração de Aeroportos e Navegação Aérea (ENANA), neste caso reconduzindo Manuel Ferreira de Ceita na liderança.

Esta nova vaga de exonerações e mexidas chega ainda às empresas públicas que gerem os portos do Namibe, Lobito e Luanda, que passam a ser lideradas, respetivamente, por António Samuel, Agostinho Estevão Felizardo e Alberto António Bengue (reconduzido).

Afastar estrutura da governação anterior

O novo Presidente angolano, João Lourenço, precisou de menos de três meses para afastar a estrutura de governação que recebeu de José Eduardo dos Santos, tendo feito acima de 300 nomeações e exonerando mais de 30 oficiais generais e cerca de 20 administrações de empresas públicas, na área petrolífera, dos diamantes, e de comunicação social, além do próprio Banco Nacional de Angola e de bancos comerciais detidos pelo Estado.

"Ninguém é suficientemente rico que não possa ser punido, ninguém é pobre demais que não possa ser protegido", foi um dos mais sonantes avisos que o novo chefe de Estado, um general de 62 anos, deixou ao tomar posse, a 26 de setembro.

Apesar de deixar a presidência angolana, José Eduardo dos Santos mantém-se líder do MPLA, partido no poder desde 1975, com mandato até 2021, e ainda não se referiu publicamente às mudanças que João Lourenço tem vindo a implementar, nomeadamente ao afastamento dos filhos de lugares chave em poucas semanas.

Angola Isabel dos Santos spricht zu Journalisten (Reuters/E. Cropley)

Isabel dos Santos

É o caso de milionária empresária Isabel dos Santos, exonerada de presidente do conselho de administração da petrolífera Sonangol, ou da empresa Semba Comunicação, que tem como sócios os irmãos Welwitshea 'Tchizé' e José Paulino dos Santos 'Coreon Du', filhos do ex-chefe de Estado angolano, que perdeu a gestão do canal 2 da televisão pública angolana.

Contudo, João Lourenço nunca esclareceu os motivos do afastamento de Isabel dos Santos ou da nomeação de Carlos Saturnino para liderar a Sonangol, curiosamente um quadro da petrolífera que em dezembro de 2016 tinha sido exonerado pela filha de José Eduardo dos Santos.

Angola Stadtbild von Luanda Finanzviertel (Getty Images/AFP/S. de Sakutin)

Vista parcial de Luanda

"A palavra nepotismo significa a promoção de uma pessoa incompetente para um determinado cargo pelo único facto de ser membro da sua família. Como a minha competência não está em questão, não será apropriado tentar estabelecer um vínculo entre as minhas relações familiares e os resultados do meu mandato", criticou Isabel dos Santos, a propósito de um editorial do estatal Jornal de Angola.

João Lourenço admitiu entretanto a necessidade de "moralização" da sociedade, com um "combate sério" a práticas que "lesam o interesse público", e foi buscar o diretor nacional adjunto do Serviço de Investigação Criminal, o comissário de polícia Sebastião Domingos Gunza, para liderar a nova equipa da Inspeção-Geral da Administração do Estado, exonerando a anterior, liderada por Joaquim Mande.

"Esperamos que a tão falada impunidade nos serviços públicos tenha os dias contados", avisou João Lourenço.

Leia mais