Príncipe aprova plano de desenvolvimento sustentável | São Tomé e Príncipe | DW | 21.03.2012

Conheça a nova DW

Dê uma vista de olhos exclusiva à versão beta da nova página da DW. Com a sua opinião pode ajudar-nos a melhorar ainda mais a oferta da DW.

  1. Inhalt
  2. Navigation
  3. Weitere Inhalte
  4. Metanavigation
  5. Suche
  6. Choose from 30 Languages

São Tomé e Príncipe

Príncipe aprova plano de desenvolvimento sustentável

A Região Autónoma do Príncipe vai precisar, nos próximos 15 anos, de 73 milhões de euros para implementar o seu plano de desenvolvimento sustentável e transformar a Ilha do Príncipe num local mais atrativo.

São Tomé e Príncipe

São Tomé e Príncipe

O dinheiro deverá ser investido na melhoria das infra-estruturas, transporte, educação e turismo. Estas são as linhas mestras do plano que pretende transformar a Ilha do Príncipe numa das regiões mais desenvolvidas do Golfo da Guiné.

Durante os próximos 15 anos, o plano de desenvolvimento sustentável para a Região Autónoma do Príncipe será o documento orientador sobre os caminhos que deverão ser seguidos para desenvolver a ilha. Um plano que, segundo o presidente do governo regional, José Cassandra, vai definir como serão os investimentos futuros.

"Estamos com um documento que dá-nos a capacidade de dizer o que queremos para o desenvolvimento do Príncipe. Não é o António chegar e dizer que quer fazer um teatro não sei aonde. Ele não vai fazer esse teatro lá. Ele tem que obedecer ao que está no plano e este não nos permite desviar", afirma.

Turismo, instrumento do desenvolvimento

Investimentos previstos no plano devem promover o turismo sustentável na Ilha do Príncipe

Investimentos previstos no plano devem promover o turismo sustentável na Ilha do Príncipe

Saúde, educação, transporte, conservação da natureza e infra-estruturas são as grandes prioridades de investimentos contidos no plano. José Duarte, representante da empresa responsável pela elaboração do projecto, garante que a concretização desses investimentos significará o desenvolvimento do turismo responsável na ilha.

"Concretiza-se através das fileira de produtos. Concretiza-se através de um instrumento poderoso que é o turismo, um instrumento transversal porque, no fundo, mexe com todas as atividades cotidianas do ser humano: a cultura, a identidade, as atividades económicas, os hotéis, os restaurantes etc", diz.

Algumas dessas prioridades, como o plano de gestão do abastecimento de água para a população do Príncipe e a construção de escolas, começam a ser executadas já em 2012 - financiadas por parte do orçamento do governo regional, aprovado e orçado num total de cerca de sete milhões de euros. Mas a grande fatia dos 73 milhões de euros necessários para implementação completa deste plano vai depender ainda de financiamentos externos.

Importância do investimento estrangeiro

O investimento estrangeiro será a forte aposta, como aponta o presidente do governo regional, José Cassandra. "Vamos começar um trabalho de diplomacia com os parceiros de São Tomé e Príncipe. Que possam vir e participar desse processo. Entendemos que STP só poderá desenvolver-se se houver investimento estrangeiro e este tem que se envolver conosco nesse processo de desenvolvimento que queremos", destaca Cassandra.

O grupo sul africano HBD-Vida Boa será um desses parceiros. Um acordo de investimento que rondam os 70 milhões de euros para os próximos nove anos foi assinado com o governo regional e central. Este documento antecede a aprovação do plano, mas irá contribuir para a implementação de parte do mesmo.

Desenvolvimento sustentável dependerá em grande parte de ajuda financeira externa

Desenvolvimento sustentável dependerá em grande parte de ajuda financeira externa

Segundo o administrador executivo para os projectos em STP, Nuno Rodrigues, o grupo quer apostar no turismo ecológico da Ilha do Príncipe e para isso pretende ampliar o aeroporto local, construir hotéis, melhorar os transportes, formar e dar emprego aos moradores da ilha.

Rodrigues explica que há a necessidade de ter um centro de formação, "porque o compromisso que assumimos com o Estado são-tomense foi trazer alguns expatriados, mas também formar os locais. Portanto, o recurso à mão de obra local será prioritário. Entre 90 e 95% das pessoas que trabalharão nos nossos resorts terão que ser locais. E também com a instalação de um novo sistema de carpintarias para o desenvolvimento de qualidades e mão de obra local, porque muitos dos resorts terão foco na área de madeira tradicional", explica Rodrigues.

A Ilha do Príncipe poderá ser, dentro de 15 anos, uma das regiões mais atractivas e desenvolvidas do Golfo da Guiné. Tudo vai depender da execução do plano apresentado.

Autora: Edlena Barros
Edição: Cris Vieira / Renate Krieger

Leia mais

Áudios e vídeos relacionados